Hoje é o dia internacional da liberdade de imprensa

Hoje, 3 de maio, é o dia internacional da liberdade de imprensa. Antes que a mídia golpista (Globo, Veja, Folha, Estadão, Record, Band e SBT, suas mídias cruzadas nas rádios e internet e as mídias satélites como RPC-Gazeta do Povo) comece a criticar qualquer regulação ou democratização dos meios de comunicação social no Brasil, divulgo algumas citações da minha tese de doutorado em Estado e Políticas Públicas sobre o tema, que vou apresentar à UFPR até o começo de 2018:

“Já a pequena imprensa, com os chamados veículos alternativos, tem poucos recursos pra crescer, e aí temos que aguentar essa mídia comercial discursar pela liberdade de imprensa. Que liberdade de imprensa eu tenho? Nenhuma. Quem tem é meia dúzia. Eles querem é liberdade de empresa, querem continuar controlando sozinhos os meios de comunicação do Brasil”. Celso Antônio Bandeira de Mello

“O objeto da liberdade de imprensa, que é facilitar e garantir a formação de uma opinião pública livre, requer, portanto, a proteção da imprensa contra tentativas de eliminar a competição entre opiniões por instrumentos de pressão econômica”. Tribunal Constitucional Alemão

“Regulação da mídia na Suécia protege a ética, não é censura e nem cerceamento da liberdade de imprensa”. Ola Sigvardsson (Ombudsman sueco da Imprensa)

“A liberdade de imprensa, na verdade, não é da imprensa, é do povo. O direito de expressão não é do dono do jornal, nem do acionista, mas do povo, pertence a ele, que merece ser informado adequadamente”. Eros Grau, ex-Ministro do STF

“A liberdade de imprensa deve também ser examinada sob a ótica dos destinatários da informação e não apenas à luz dos interesses dos produtores da informação”. Joaquim Barbosa, ex-Ministro do STF

“Não reconheço à Globo autoridade em matéria de liberdade de imprensa, e basta para isso olhar a sua longa e cordial convivência com os regimes autoritários e com a ditadura de 20 anos, que dominou o nosso país.” Leonel Brizola, no histórico Direito de Resposta lido pelo então apresentador do Jornal Nacional, da Rede Globo, Cid Moreira, em 13.03.1994

Tarso Cabral Violin – advogado e professor de Direito Administrativo

Anúncios

Band é mais golpista do que a TV Globo

canal-livre

Por mais que a Rede Globo de Televisão cause mais estragos, por ter maior audiência, a TV Band é ainda mais golpista do que a sua colega monopolista.

Na Rede Globo temos que aguentar a comemoração da Fátima Bernardes em seu desprezível programa matutino comemorando a condução coercitiva de Lula como “o dia que vai ficar para a história do Brasil”.

Na Globo o jornal Paraná TV da RPC-Globo em Curitiba chama os curitibanos para as manifestações golpistas, enquanto que boicota antes e depois as manifestações pela Democracia e contra o golpe.

No Jornal Nacional é insuportável que em 90% das suas notícias sejam para atacar o governo federal, o Partido da Chefe do poder Executivo, a presidenta atual e o último presidente da República, poupando outros partidos e outros governos estaduais e municipais.

O Jornal da Globo, o mais golpista da Rede, com os comentários rasos e golpistas do seu apresentador, é menos assistido pelo seu horário.

Mas a TV Band, antiga Bandeirantes, é a mais golpista das estações, uma vez que em todos os seus telejornais os âncoras são golpistas e fazem comentários golpistas.

Em especial o criminoso Canal Livre, do final de domingo, já dá como “favas contadas” o Impeachment-Golpe da presidenta. Eles já discutem como será bom para o Brasil o período do pós-Dilma, como a economia vai melhorar, como o dólar não vai subir, recomendando para o novo presidente Michel Temer (PMDB) e seu vice Eduardo Cunha (PMDB) que privatizem as empresas estatais e acabem com os direitos dos trabalhadores.

Se um dia ocorrer a democratização da mídia no Brasil, o foco não pode ser apenas a Rede Globo, mas também a Band, TV Record, SBT e outros meios de comunicação golpistas que não sofrem qualquer tipo de regulação no país.

Como seria o Chico Buarque de direita?

Pouco coisa se salva na programação da Rede Globo de Televisão. O programa “Tá no ar” é imperdível. Ontem (8) o Marcelo Adnet imitou o que seria o Chico Buarque de direita. Assista no link acima, para não precisar dar acessos no site da “Vênus Platinada”.

Captura de Tela 2016-03-09 às 10.38.14

 

Por que ocorreram as manifestação na Rede Globo?

protesto7

Foto de Francisco Proner Ramos

Hoje (6) duas mil pessoas fizeram em frente à sede da Rede Globo, no Jardim Botânico, Rio de Janeiro, uma grande manifestação pela democratização da mídia, contra o monopólio da Rede Globo e contra a seletividade da emissora no ataque a seus adversários e aos adversários de seus patrocinadores. Centrais sindicais, partidos políticos, militantes, juristas, estudantes e membros de movimentos sociais fizeram um belo evento.

Por que protestar contra a Globo?

Várias respostas estão no documentário “Beyond Citizen Kane” (Muito Além do Cidadão Kane) assista aqui, de 1992, que foi exibido no Canal Quatro da BBC de Londres, emissora pública do Reino Unido. Na época foi censurado pelo Poder Judiciário no Brasil, a pedido do fundador e então presidente das Organizações Globo, Roberto Marinho, sendo posteriormente um pouco mais popularizado via internet. Roberto Marinho foi comparado a Charles Foster Kane, personagem de 1941 de Orson Welles no filme Cidadão Kane, uma ficção baseada na trajetória de um magnata da comunicação nos Estados Unidos da América, Willian Randolph Hearst.

As Organizações Globo apoiaram o golpe militar de 1964 e a ditadura que durou até 1985.

Até 1988 as concessões de rádio e TV no Brasil ocorriam por livre escolha do Presidente da República, e a Globo foi beneficiada pelos ditadores.

No início a Globo foi financiada pela Time-Life estadunidense, que participava dos lucros da Globo e fazia assistência na elaboração do conteúdo da emissora, o que era proibido pela Constituição de 1946, mas um processo foi engavetado durante a ditadura.

A ditadura garantiu o aumento da audiência da Globo, viabilizando crédito para a população de maioria analfabeta pudesse comprar televisores, ao mesmo tempo que precarizava a educação pública no país.

A TV Excelsior, que se opôs ao golpe, em 1970 teve a sua concessão cancelada pela ditadura.

Já a Globo ia além do que era requisitado com relação à censura e exaltava o regime militar, reforçando a censura, tanto é que proibiu a citação do nome de Chico Buarque.

O assassinato do jornalista Vladimir Herzog da TV Cultura foi preso e assassinado pela ditadura, mas isso não apareceu na Globo.

Até 2003 a Globo sempre foi governista. O presidente Médici, durante a ditadura militar, dizia: “Todas as noites quando vejo o noticiário sinto-me feliz. Por que? Porque no noticiário da TV Globo o mundo está um caos e o Brasil está em paz, é como tomar um calmante depois de um dia de trabalho.”

Durante a ditadura a Globo se tornou a quarta maior rede de TV do mundo.

A ditadura auxiliou a Globo com as transmissões via satélite pela Embratel.

A Rede Globo, vendo que a ditadura militar estava no fim, rompeu com os militares e não apoiou o candidato governista Paulo Maluf nas eleições indiretas, mas sim Tancredo Neves. Era tão grande o poder da Globo que, horas depois de sua eleição indireta, Neves almoçou com Roberto Marinho e Antônio Carlos Magalhães, e anunciou que esse seria o Ministro das Comunicações. Como Ministro, ACM perseguiu uma empresa, que depois foi vendida muito barato para a Globo. Em 1987 Roberto Marinho cancelou seu contrato com a TV Aratu na Bahia, que era a afiliada da TV há 18 anos, e passou para a TV Bahia da família e amigos de ACM.

A Constituição de 1988 tirou das mãos do presidente o poder de decidir pelas concessões, mas antes o então presidente José Sarney distribuiu 90 concessões para aliados, e Sarney ficou com duas.

No documentário são mostrados quatro exemplos de manipulação da Globo:

  1. Lula: Globo mentia sobre greves dos movimentos sindicais de 1979, sem mostrar posição dos sindicalistas, só com posição dos líderes patronais. Confessado pelo Armando Nogueira (1967-89 na Globo), que era uma recomendação da ditadura. Mas em vários casos sem interferência do governo, só pela diretoria da Globo.
  2. Brizola: tentou boicotar sua eleição para governador do RJ.
  3. Diretas Já: no começo boicotou, dizendo que manifestações eram pelo aniversário de São Paulo.
  4. Eleições de 1989: PT fez Rede Povo no horário eleitoral gratuito. Globo fez propaganda para Fernando Collor de Mello desde 1987. No segundo turno Lula venceu o primeiro debate de Collor. No segundo debate, a poucos dias do pleito, o JN editou o debate e foi especialmente montado para deter Lula e eleger Collor, com 64% da audiência. Depois apresentou pesquisa telefônica dizendo que Collor venceu Lula no debate. No Jornal Hoje, mais cedo, o resumo foi diferente, mas diretores da Globo alteraram a edição para a noite. Armando Nogueira confirmou a edição alterada da noite, que inclusive foi protestar no dia seguinte para Roberto Marinho. “A Rede Globo foi infeliz e fez uma edição burra”, disse Armando Nogueira para Roberto Marinho, e logo depois foi aposentado e outro funcionário que também questionou foi demitido. Lula perdeu, quando estava subindo nas pesquisas e no dia do debate estava apenas 1% com Collor na frente, mas depois da edição da Globo a diferença parou de cair e subiu para 4%.

A Globo elegeu Collor, mas o abandonou em 1992 quando viu o povo contrário ao neoliberal presidente.

O documentário é finalizado pelo Canal Quatro com a seguinte frase, logo depois aparecendo a imagem da Globo sendo comida por baratas e aparecendo a imagem de Roberto Marinho: “A Globo começou a dominar a televisão no Brasil durante a ditadura militar, manteve o silêncio sobre as verdades daquele regime, agora está começando a falar mais. Mas será que a Globo e Roberto Marinho podem realmente se libertar dessa herança, ou será que o Brasil deveria libertar-se da dominação da Globo?”.

Ao final, música da banda de Rock brasileira Titãs, com a música “Televisão”, com composição de Arnaldo Antunes, Marcelo Fromer e Tony Belloto: “A televisão me deixou burro, muito burro demais. Agora todas coisas que eu penso me parecem iguais”.

A Globo apoiou o governo FHC, que privatizou o Estado brasileiro, comprou deputados para a aprovação da reeleição e precarizou a Administração Pública.

E, desde 2003, com o governo Lula e depois Dilma, a Globo nunca aceitou que estivesse no poder um presidente de um partido popular. A oposição foi mais realizada pela Globo do que dos próprios partidos de oposição.

A tática é simples. Políticas públicas favoráveis à população são escondidas. Denúncias contra o governo federal são apresentadas com destaque na programação, dia-a-dia, enquanto que denúncias contra políticos amigos da Globo ou contra empresas que patrocinam a Globo são engavetadas ou transmitidas de forma tímida. Manifestações contra o governo federal são divulgadas com antecedência e superestimadas, enquanto que as manifestações contrárias aos interesses da Globo são censuradas ou subdimensionadas.

É bom lembrar que a Constituição proíbe o monopólio da Globo e os serviços de TV e rádios são serviços públicos. Serviços esses que dependeriam do Congresso ou da Justiça, reféns da Globo, para qualquer mudança ou rescisão.

Sim, a Globo hoje tem uma certa qualidade em novelas ou alguns programas, mas as custas de muitos privilégios da ditadura militar, do Estado brasileiro, em todos os níveis, que gasta milhões de dinheiro público com a empresa.

Por isso a necessidade de uma democratização na mídia no Brasil, já realizada nos Estados Unidos da América, Alemanha, Inglaterra, Portugal, Espanha, mas nunca realizada no Brasil.

Será que há motivos para que o povo brasileiro se indigne contra a Globo?

O problema é que em países ainda em desenvolvimento, normalmente as vítimas acabam defendendo os opressores.

Até quando?

Tarso Cabral Violin – advogado, professor de Direito Administrativo e Ciência Política, autor do Blog do Tarso e presidente da ParanáBlogs

protesto1

Gaviões da Fiel protesta contra a Rede Globo

Captura de Tela 2016-02-12 às 00.20.43

A maior torcida organizada do Brasil, a Gaviões da Fiel, do Corinthians, abriu três faixas de protesto, sendo duas contra a Rede Globo de Televisão, o que gerou agressões da Polícia Militar contra os torcedores no jogo de ontem (11) entre Corinthians e Capivariano, na Arena Corinthians.

As mensagens eram: “Rede Globo o Corinthians não é seu quintal”, “jogo às 22h também merece punição” e “cadê as contas”.

Propaganda eleitoral positiva ou negativa realmente pode haver alguma justificativa de proibição, mas não há motivo para se proibir protestos nos estádios contra a Rede Globo, que obriga todos os brasileiros a assistirem os jogos depois da novela das 21h e manda no futebol brasileiro, e contra a Federação Paulista de Futebol.

Massacre de Curitiba é “esquecido” pela Retrospectiva 2015 da Globo

O Massacre do Centro Cívico de Curitiba de 29 de abril de 2015, gerado pelo governo Beto Richa (PSDB) contra professores, estudantes, servidores e cidadãos, foi simplesmente “esquecido” pela Retrospectiva 2015 da TV Globo exibido nesta quarta-feira (30).

Será que é por que o Paraná não existe para essa Rede de TV?

Ou será que é por que a Rede Globo “blinda” governos tucanos, em especial o governador Beto Richa (PSDB)?

A RPC-Globo, que iniciou o ano fazendo oposição sistemática contra Richa, incitando os professores e a população paranaense contra o incompetente governador, semanas depois do massacre e após o aumento nos gastos publicitários do governo do Paraná na velha mídia, simplesmente voltou a poupar o considerado pior governador paranaense de todos os tempos.

A saída para isso se chama: democratização da mídia e liberdade de expressão real, com o fim dos monopólios e oligopólios inconstitucionais dos meios de comunicação.

Maiores informações sobre o Massacre aqui ou nos seguintes posts:

Assista o documentário sobre o Massacre do Centro Cívico de Curitiba

Novela da Globo copia filme de paranaense

Cenas do filme "Quanto vale ou é por quilo?"

Cenas do filme “Quanto vale ou é por quilo?” do diretor paranaense Sérgio Bianchi

A chamada da nova novela da Rede Globo, “Além do Tempo”, é cópia do filme “Quanto vale ou é por quilo?”, do cineasta paranaense Sérgio Bianchi.

O filme é uma obra-prima, tratando de forma crítica do Terceiro Setor e comparando o assistencialismo à escravidão. Inclusive o utilizo nas minhas aulas na graduação e na pós-graduação sobre as Parcerias com o Terceiro Setor, e já fiz um evento em Curitiba com a presença do diretor.

Em vários momentos do filme o ator Milton Gonçalves faz uma narrativa dos períodos da escravatura no Brasil. No minuto 1’06” do seguinte vídeo há um exemplo:

A chamada da novela da Globo é exatamente igual ao filme. Veja a cópia:

A Globo boicota os filme de Bianchi Não me lembro de ter visto no canal as obras-primas Quanto Vale Ou É Por Quilo? (2005) e Cronicamente Inviável (2000), ou mesmo os mais recentes Os Inquilinos (2009) e Jogo das Decapitações (2013). Mas a rede monopolista copia a obra do diretor paranaense na “cara dura”.

Veja o que você não viu no Fantástico sobre o Massacre de Curitiba

Vídeo produzido pela agência Abridor de Latas Comunicação Sindical sobre a luta de professores da rede pública estadual, servidores de diversas categorias e a população em geral contra a alteração na previdência. O material retrata cronologicamente os fatos que culminaram com um grande massacre por parte das forças de segurança do governo Beto Richa (PSDB), deixando mais de 200 feridos.

Ao mesmo tempo é uma homenagem a todos os corajosos que se mantiveram firmes, mesmo em meio a uma enorme chuva de bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Isso não saiu no Fantástico da Rede Globo de Televisão. Na verdade o programa nem noticiou o Massacre do Centro Cívico de Curitiba.

Seminário discute os 50 anos de poder e hegemonia da Rede Globo

seminarioglobocomobscom

No mês em que a Rede Globo completa meio século de vida, o Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé promove, em São Paulo, um seminário dedicado a discutir os 50 anos de poder e hegemonia da empresa. A atividade ocorre no dia 27 de abril de 2015, das 9h às 18h, na sede da entidade.

Impulsionada pela ditadura militar, a Globo tornou-se um verdadeiro império midiático, concentrando o setor das comunicações e agindo no sentido de uniformizar os corações e mentes dos cidadãos brasileiros em benefício de seus interesses políticos e econômicos. Sua ligação com a ditadura militar e seu papel na formação da opinião pública somados aos escândalos de sonegação fiscal bilionária e outros episódios de corrupção – gente ligada à familia Marinho figura na recente lista sombria do HSBC, por exemplo – são elementos que tornam ainda mais importante a discussão sobre a liberdade e o poder sem limites da Rede Globo.

Evento apoiado pela Associação dos Blogueiros e Ativistas Digitais do Paraná – ParanáBlogs e pelo Centro de Estudos da Mídia Alternativa Baronesa de Itararé (Núcleo do Barão de Itararé no Paraná).

Confira a programação completa e garanta a sua participação:

9h – A CONSTRUÇÃO DO IMPÉRIO GLOBAL

César Bolaño – Professor da Universidade Federal de Sergipe

Marcos Dantas – Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Susy Santos – Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro

14h – TELEJORNAIS: INFORMAÇÃO E MANIPULAÇÃO

Rodrigo Vianna – Editor do blog “Escrevinhador”

Luciano Martins Costa – Editor do Observatório de Imprensa

Laura Capriglione – Movimento “Jornalistas Livres” e site A Ponte

Mais informações: contato@baraodeitarare.org.br

Inscrições: R$ 50,00, e R$ 25 para estudantes. Para inscrição clique aqui.

Globo: 200 manifestantes pela Democracia em Curitiba. Verdade: 10 mil

Captura de Tela 2015-03-13 às 23.24.47

O Paraná TV 2ª Edição da RPC/Globo do noroeste do Paraná informou que apenas 200 manifestantes participaram em Curitiba do ato em defesa da Democracia, da Petrobras, dos direitos dos trabalhadores e da reforma política popular, e contra o golpe.

E mostrou imagens da concentração da manifestação (acima), de antes das 18h. mas note-se que se contarmos as pessoas presentes na foto já são mais de 200!

Essa notícia ocorreu depois das 19h, quando já havia entre 8 e 10 mil manifestantes nas entre a Praça Santos Andrade e a Boca Maldita, passando pela Marechal Deodoro.

Contra o monopólio e as mentiras da Globo, democratização da mídia já!

Vejam as fotos da manifestação abaixo, tiradas pelo editor do Blog do Tarso, Tarso Cabral Violin:

11072661_10202953025980141_7299399521374930531_n

Foto de Tarso Cabral Violin

11070755_10202952975818887_8503893128092725320_n

Foto de Tarso Cabral Violin

 

William Bonner mente no Jornal Nacional sobre manifestação no Paraná

Foto de Wellingto Alberti

Avenida Cândido de Abreu lotada em Curitiba. Foto de Wellingto Alberti

Você já deve saber que não é possível confiar na Rede Globo. Já deve imaginar que não deve acreditar no Jornal Nacional. E, claro, não é possível crer no apresentador William Bonner, que também é o editor-chefe do JN.

Nesta quarta (25) ocorreu a maior ou uma das maiores manifestações da história do Paraná, com aproximadamente 50 mil pessoas (clique aqui).

Professores e educadores em greve, estudantes, servidores públicos, aposentados e militantes protestaram contra o desmonte na educação pública que está sendo providenciado pelo governador Beto Richa (PSDB).

Mas Bonner informou que havia apenas 10 mil pessoas no ato. MENTIRA!

O exato momento da mentira

O exato momento da mentira

A Avenida Cândido de Abreu, contando com a Barão do Serro Azul, que liga a praça Tiradentes no centro de Curitiba com a Praça Nossa Senhora de Salette no Centro Cívico, tem mais de 2 km de extensão.

A manifestação tomou quase a Cândido de Abreu inteira e cinco pistas, da praça Tiradentes até o Palácio Iguaçu.

Foto da Gazeta do Povo

Foto de Jonathan Campos da Gazeta do Povo

Por baixo, são 2 mil metros de extensão, com aproximadamente 20 metros de largura. Total de 40 mil metros quadrados.

Manifestações costumam ter entre uma e quatro pessoas por metro quadrado. Vamos dizer, por baixo, que havia apenas uma pessoa por m2, seriam no mínimo 40 mil pessoas. Mas vejam isso é NO MÍNIMO. A via tem mais de 2 km, tinham pessoas para além das 5 vias, e havia mais de 2 pessoas por metro quadrado.

Fotos das redes sociais do senador Roberto Requião (PMDB-PR)

Foto das redes sociais do senador Roberto Requião (PMDB-PR)

Portanto, é mentira de Bonner, do Jornal Nacional e da Rede Globo, quando disseram que havia apenas 10 mil pessoas na manifestação.

Outra questão grave é que Bonner não citou em nenhum momento o nome do governador Beto Richa e seu partido, o PSDB. Apenas no final da matéria apareceu um pequeno letreiro com o nome e partido do governador.

Foto das redes sociais do senador Roberto Requião (PMDB-PR)

Foto das redes sociais do senador Roberto Requião (PMDB-PR)

Qualquer matéria que envolva algum partido de situação ao governo federal, a velha mídia repete com exaustão, todo o dia, o nome do partido. Quando o problema é com um partido de direita, como o PSDB, DEM, entre outros, colocam essa informação em nota de rodapé.

Até quando o povo brasileiro vai acreditar apenas no que diz a velha mídia, composta por Globo, SBT, Veja, Folha, entre outros meios de comunicação?

É necessário, com urgência, a democratização da mídia, para que mais pessoas e meios de comunicação possam ser ouvidos pelos brasileiros, com o fim dos oligopólios e monopólios hoje existentes.

Veja outras fotos do evento, tiradas por Tarso Cabral Violin, o autor do Blog do Tarso:

10427228_10202867384919168_4983222268188576401_n-2 10931131_10202867409559784_2449060484314677502_n 10013280_10202867540003045_3909954724340506654_n 20519_10202868450385804_4920462015222741757_n 1464655_10202869822780113_7564219944991657905_n

Globo abre guerra contra a Democratização da Mídia na minissérie “Felizes para Sempre?”

20150125212751783587u

A Rede Globo de Televisão abriu guerra contra a Democratização da Mídia e contra a blogosfera progresista na minissérie “Felizes para Sempre?”, dirigida pelo cineasta Fernando Meirelles, que sempre teve coragem de dizer que vota nos candidatos do PSDB como José Serra, Fernando Henrique Cardoso, Geraldo Alckmin e Aécio Neves.

O competente ator Enrique Díaz faz o papel de empresário e empreiteiro corrupto Cláudio Drummond, que no episódio de hoje (30) diz para sua esposa Marília, interpretada pela paranaense Maria Fernanda Cândido, que a “imprensa golpista” tenta destruir pessoas.

A Globo é a principal representante do chamado P.I.G – Partido da Imprensa Golpista e faz parte da chamada velha mídia pela blogosfera progressista.

Com isso a Globo tenta dar a entender que quem critica a péssima imprensa brasileira são os corruptos.

Isso é desespero contra a Democratização da Mídia que o segundo governo da presidenta Dilma Rousseff (PT) vai implementar a partir de 2015 com o Ministério das Comunicações comandado pelo Ministro Ricardo Berzoini. Sobre a a democratização da mídia no Brasil clique aqui.

Para levantar sua audiência em queda a Globo até mostrou cenas quentes com a bela atriz Paolla Oliveira, que interpreta a prostituta de luxo Danny Bond/Denise/Simone, quase totalmente nua.

A Globo, uma das maiores redes de comunicação do mundo, que cresceu durante a ditadura militar brasileira e pratica oligopólio inconstitucional com outras redes brasileiras, será o principal alvo da democratização e regulação econômica dos meios de comunicação.

Tarso Cabral Violin – advogado, professor de Direito Administrativo, autor do Blog do Tarso, está elaborando tese de doutorado sobre a Democratização da Mídia na Universidade Federal do Paraná – UFPR

bv1rv6gp6s8u81pg0d95a77bm

Dilma vence o debate da TV Globo e pode ganhar no 1º turno

Captura de Tela 2014-10-03 às 00.38.00

A presidenta Dilma Rousseff (PT) foi a melhor no debate da Rede Globo de Televisão entre os presidenciáveis ocorrido entre a noite de quinta-feira (2) e madrugada de sexta (3).

Dilma se mostrou a mais preparada e firme nas respostas, desmascarando o neoliberalismo de Marina e Aécio.

Marina Silva (PSB, ex-PT, ex-PV, futura Rede Sustentabilidade) foi muito mal em mais um debate, com uma postura de derrota iminente. Continuou defendendo a independência do Banco Central, o que seria um desastre por conceder ao mercado financeiro a direção da política econômica e limitando a democracia ainda em construção no Brasil.

Aécio Neves (PSDB), além de ser neoliberal-gerencial entreguista privatista, ainda se mostrou machista. Ao citar a presença de FHC perdeu dezenas de milhões de votos. Defendeu a venda das estatais, o que gerou a Privataria Tucana no Governo FHC. E ainda defendeu as privatizações dos presídios por meio de PPPs e APACs, o que são inconstitucionais.

Luciana Genro (PSOL) dessa vez exagerou na dose e mostrou que, por enquanto, ainda pode ser uma ótima parlamentar, mas não uma Chefe do Executivo.

Eduardo Jorge (PV) já cansou.

Levy Fidelix (PRTB) confirmou que é fascista.

Pastor Everaldo (PSC) confirmou que é um laranja de Aécio e bastante despreparado, além de ser um fundamentalista religioso.

William Bonner mostrou que não tem condições de mediar um debate, se enrolando nas regras o tempo todo.

Com as últimas pesquisas e a tendência de alta a presidenta Dilma pode ganhar a eleição ainda no primeiro turno.

Captura de Tela 2014-10-03 às 00.43.44

Beto Richa foi desmascarado e massacrado no debate da RPC TV-Globo

Captura de Tela 2014-09-30 às 23.14.59

No debate entre os candidatos ao governo do estado do Paraná, o governador Beto Richa (PSDB), que é o candidato oficial da reeleição, foi o grande derrotado.

Os senadores Gleisi Hoffmann (PT) e Roberto Requião (PMDB), Bernardo Pilotto (PSOL) e Geonísio Marinho (PRTB) desmascararam Richa.

Bernardo Pilotto (PSOL) e Geonísio Marinho mostraram que, dos candidatos com menos votos, não são laranjas e apresentaram projetos, questionaram seus adversários e não “levantaram a bola” para ninguém.

Pilotto disse que Beto é o candidato do partido do mensalão mineiro. Luciana Genro (PSOL) é a candidata de Bernardo.

Ogier Buchi (PRB) e Tulio Bandeira (PTC) comprovaram que são os candidatos laranja de Richa, uma vergonha para a política do Paraná. Os dois são os candidatos de Marina Silva no Paraná.

Gleisi falou muito bem ao defender o governo da presidenta Dilma Rousseff (PT) e mostrar que Richa rouba os programas do governo federal e diz que é seu. Ela recomendou acesso ao site BetoNaoCumpre.com.br.

A ex-ministra de Dilma ainda informou que Beto Richa queria prorrogar os contratos imorais e com valores astronômicos do pedágio das estradas do estado.

Requião, bastante sereno, mostrou que seu governo fez bem mais pelo Paraná do que o atual governador. Denunciou que ocorreram 30 rebeliões na gestão Richa, enquanto na de Requião apenas uma, que Richa não contruiu nenhuma penitenciária e ainda teve que devolver dinheiro para o governo federal por ser incompetente na falta de construção de unidades prisionais. Mostrou que Beto não construiu hospitais e nem estradas. E ainda mostrou que Richa é hipócrita ao colocar Orlando Pessuti (PMDB) em seu programa para atacar Requião e ainda comprou alguns deputados estaduais do PMDB, e dizer que sua campanha é de alto nível.

Requião informou que a mãe de Beto também recebe verba de representação, sendo que a verba deveria ser apenas para o falecido José Richa, e que ela se casou mas não oficialmente para continuar recebendo o dinheiro público.

Beto fez perguntas apenas para Tulio Bandeira, seu candidato laranja (os dois combinaram de usar grava rosa), para fugir do debate com Gleisi, Requião, Pilotto e Marinho.

Richa agradeceu os milhões de reais que recebeu das empresas privadas que depois vão querer receber em troca dinheiro público, segundo Bernardo Pilotto.

Richa, que estava com pele amarelo-alaranjado por causa do bronzeamento artificial ou por causa de algum creme novo de Miami, desrespeitou Pilotto ao chamá-lo de moleque e baderneiro, e ainda tirou sarro ao dizer que ele não tem voto. Parecia um garoto mimado que não ganha papinha de Mucilon.

Beto informou que não há fantasmas em seu governo, com um risinho no canto da boca.

Beto Richa mentiu, mentiu, enrolou, fugiu do tema da pergunta, foi grosso com o Sandro Dalpícolo quando o jornalista pediu para ele não enrolar, e simplesmente envergonhou o Paraná.

A vergonha final foi a RPC ter concedido apenas um direito de resposta, para Beto Richa.

Com essa péssima participação no debate a tendência é que Beto Richa não vença no 1º turno e concorra contra Requião ou Gleisi no segundo turno. E perca.

Richa estava amarelo

Richa estava amarelo

Jornal Nacional da TV Globo esconde entrevista de Dilma com blogueiros progressistas

O Jornal Nacional da Rede Globo de Televisão escondeu na sua edição de hoje a entrevistada dos blogueiros progressistas com a presidenta Dilma Rousseff (PT).

Dilma defendeu a democratização da mídia, com o controle econômico de TVs e rádios, o que afetará o monopólio/oligopólio inconstitucional da Rede Globo no Brasil.

Globo lixo: dois pesos duas medidas

Captura de Tela 2014-09-19 às 11.29.03

A TV Globo é um lixo. Um lixo de programação, um lixo ao ter apoiado a ditadura militar, um lixo ao fazer papel de partido político na oposição sistemática a governos de esquerda e centro-esquerda, mesmo sendo algo inconstitucional por ser uma concessão de serviço público a TV e rádio.

Na entrevista com o candidato Anthony Garotinho ao RJTV – 1ª Edição a entrevistadora acusou Garotinho de existir vários processos contra ele, mas ao candidato responder que também existem processos de sonegação de impostos por parte da Globo, a jornalista simplesmente foi categórica ao dizer que a Globo não sonega e paga todos os seus impostos.

Dois pesos duas medidas. Contra seus adversários basta existir um processo, sem trânsito em julgado, para uma acusação. Contra a TV, o processo não basta.

Garotinho está longe de ser santo, mas detonou a Globo na entrevista, ao lembrar também que a TV apoiou a ditadura.

Veja a entrevista completa, clique aqui.

Marina Silva foi muito mal na entrevista do Jornal Nacional da Rede Globo. Nova política?

noar1

A candidata à presidência Marina Silva (PSB, ex-PT, ex-PV, futura Rede Sustentabilidade) foi entrevistada hoje (27) no Jornal Nacional da TV Globo por Willian Bonner e Patrícia Poeta.

Marina foi muito mal, disse que não sabia de nada sobre o uso por parte dela e do falecido Eduardo Campos (PSB) de avião (jatinho), de uma empresa laranja e que é uma suspeita de uso de Caixa 2.

Com o uso de frases feitas, estava visivelmente abatida e preocupada com essa grave denúncia.

Captura de Tela 2014-08-27 às 21.12.59

Marina também não soube responder porque ela teve uma votação tão pequena em seu estado, o Acre, nas eleições de 2010. Ela ficou apenas em terceiro lugar também nesse estado onde já foi senadora. Será que quem conhece a Marina não vota na Marina?

Marina foi grossa com a Patrícia Poeta, parecendo que o poder e a expectativa de vitória já lhe subiu a cabeça.

Marina ficou enrolando nas respostas para que os entrevistadores fizessem menos perguntas.

Marina também não soube responder sobre seu vice Beto Albuquerque (PSB), ligado aos transgênicos e agronegócio.

Marina disse ser a favor dos transgênicos, falou em coexistência. Absurdo!

Nova política? Tem cheiro de mofo!

Carlos Lacerda era nova política?

Os golpistas militares em 1964 eram a nova política?

Fernando Collor de Mello era a nova política?

Veja a entrevista, clique aqui.

Captura de Tela 2014-08-27 às 20.18.30