Aécio Neves recebeu mais de R$ 34 milhões das construtoras Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, OAS e Queiroz Galvão

Captura de Tela 2016-04-07 às 21.23.20

Nas eleições de 2014 a presidenta Dilma Rousseff (PT), que foi reeleita, recebeu doações devidamente declaradas das construtoras Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Engevix, Galvão Engenharia, OAS, Odebrecht e Queiroz Galvão, no valor total de R$ 64.636.179,25.

Aécio Neves (PSDB), o candidato derrotado, recebeu doações das construtoras Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, OAS, Odebrecht e Queiroz Galvão no valor total de R$ 34.170.000.

Sou contrário às doações privadas empresariais nas eleições, mas elas eram possíveis em 2014, pois o STF ainda não havia proibido essa prática.

Essas construtoras praticavam corrupção nos governos municipais, estaduais e federal desde que foi inventado o concreto e o cimento. A prática era e é simples: como existem poucas grandes construtoras, elas faziam acordos para que cada uma vencesse um lote de licitações municipais, estaduais e federais, para que nenhuma ficasse de fora.

Elas apresentam orçamentos superfaturados na fase interna das licitações, o que aumenta o valor estimado da licitação, e depois a construtora escolhida entre elas vence a licitação com um valor também superfaturado. Prática difícil de ser fiscalizada pelo Poder Público, pois elas mesmas é que fazem os orçamentos. Não é a mesma coisa do que verificar o preço de um bem no supermercado.

É claro que elas corrompem servidores públicos e agentes políticos para facilitar sua prática. O dinheiro que arrecadavam ilicitamente elas “investiam” de forma lícita em candidatos que venceriam e perderiam as eleições, via caixa 1, doações devidamente declaradas na Justiça Eleitoral.

Por que o dinheiro doado para Dilma e para os partidos da sua coligação é tratado como “propina” pelos meios de comunicação, polícia, Ministério Público e Poder Judiciário?

O dinheiro doado ao Aécio e ao PSDB é “limpinho”?

Anúncios

Colunista da Folha solicita que Aécio peça Impeachment de Beto Richa

div-beto-aecio_1

O conceituado jornalista Jânio de Freitas, da Folha de S. Paulo, publicou a seguinte coluna no dia 03.05.2015:

Em proporção aos respectivos eleitorados, o tal estelionato eleitoral de Dilma não foi maior que o de Beto Richa em sua reeleição no Paraná. Se é por proximidade com corrupção, a de Dilma está em uma empresa, a Petrobras; a de Beto Richa, disse o noticiário que está em determinada parte de sua família.

Já seria o suficiente para Aécio Neves e seus deputados, por decência, pedirem o impeachment do seu companheiro de PSDB. Nenhum foi capaz de emitir sequer uma palavra sobre a ferocidade criminosa do governo paranaense contra os professores e outros servidores usurpados em direitos legítimos por Beto Richa.

Aécio Neves silencia sobre suspeita de corrupção no governo Beto Richa

O candidato derrotado na disputa ao cargo de presidente da República em 2014 e senador Aécio Neves (PSDB-MG) continua em silêncio sobres as suspeitas de corrupção no governo Beto Richa (PSDB-PR).

Seja na tribuna do Senado, seja em sua coluna no jornal Folha de S. Paulo, o silêncio é sepulcral.

Hoje o governador do Paraná, Beto Richa, informou que não é corrupto.

Líder do ato golpista do 15 de março chama Aécio Neves de “líder de merda”

alx_protestos-contra-governo-dilma-rj-aecio-neves-20150315-04-2_original

O candidato derrotado à presidência da República em 2014, Aécio Neves (PSDB), não teve coragem de se misturar com a turba durante o ato golpista de 15 de março

 

Renan Santos, do Movimento Brasil Livre (MBL), um dos grupos que organizou o ato golpista de 15 de março, atacou o PSDB, chamou o candidato derrotado na corrida à presidência em 2014 e presidente nacional do PSDB, o senador tucano Aécio Neves (MG), de “líder de merda” e o senador José Serra (PSDB-SP) de “arrogante”.

O grupo SOS Forças Armadas, que defende o golpe militar e se auto-intitula de “patriota”, chamou de “otários” os manifestantes do MBL que querem o Impeachment.

safe_image.php-2

Todo o Brasil votou em Dilma e Aécio

brasil

Os dois candidatos do segundo turno das eleições presidenciais no Brasil em 2014 receberam votos em todo o Brasil. É claro que alguns estados votaram mais em termos numéricos ou percentuais. O mapa acima mostra em rosa os estados que votaram mais em Dilma Rousseff (PT), com diferentes gradações, e em azul os que votaram mais em Aécio Neves (PSDB).

Note que Dilma foi a mais votada nos dois estados mais ricos do Brasil, Minas Gerais e Rio de Janeiro, que estão entre os três com o maior PIB.

Além disso as regiões que mais votaram em Dilma, em números totais, foram a região Sudeste e Nordeste.

Dilma recebeu mais votos nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste (54,82%) do que das regiões Norte e Nordeste (45,08%).

O Brasil está unido, apenas uma minoria fascista/nazista está fazendo uma campanha racista, homofóbica e separatista pela internet, por não se conformar com a vitória de Dilma.

Se liga Brasil!

grafico-resultados-

FHC e as Drogas

Por Georghio Tomelin, advogado em São Paulo

O combate às drogas preocupa todos os que possuem filhos. Ontem à noite (23.10.2014), o Senador Aécio Neves trouxe no programa eleitoral a ideia de colocar as Forças Armadas para combater o narcotráfico. O tema das drogas precisa sim ser debatido com seriedade. Nisso ele tem razão.

O ex-Presidente Fernando Henrique Cardoso é sabidamente um defensor do abolicionismo das figuras criminais que envolvem o tráfico e o uso de drogas. Esta ideia já foi defendida por outras autoridades mundiais como, por exemplo, Milton Friedman (o que mesmo que disse “não existe almoço grátis”, frase tantas vezes repetida por Ralph Nader e muitos outros entre nós).

A ideia de FHC é simples e corretíssima. O grama da cocaína, por exemplo, já chegou a gravitar perto do preço do grama do ouro. Foi aí que Friedman declarou: “não dá para lutar contra alguém que planta ouro em arbustos”. Ou seja, com a margem de lucro muito alta o traficante é mais poderoso do que a polícia. A única coisa que pode desarmar o traficante é o barateamento do produto. Com o preço alto o traficante compra as autoridades encarregadas da repressão e adquire armamentos. Abolir o crime e liberar as drogas faria o preço cair e assim também a violência daí advinda.

O resto é educação. Já conseguimos aumentar a porcentagem de crianças de baixa renda nas escolas e Universidades, e agora precisamos educar os de alta renda (pois são eles que consomem as drogas em maior porcentagem). Educação é a solução. Violência só leva a mais violência.

E as Forças Armadas? O que dizer da ideia contrária à de FHC: aumentar a repressão em vez de abolir (como propõe o ilustre Senador Aécio). O primeiro problema é que não existe como criar um cordão sanitário no entorno do tráfico. Ele se mescla com todos os setores da sociedade. Não é uma doença, mas sim uma “festa” que cerca muitos jovens de todas as classes (os EUA já tiveram um Presidente viciado em drogas, e foi uma catástrofe cujos efeitos rondam os americanos até hoje).

Por sinal, o modelo de colocar o exército dos Países para correr atrás das drogas é o modelo norte-americano de combate para os demais Estados que julgam seus aliados (pois eles mesmos têm o DEA – Drug Enforcement Administration – e não fazem isso). Qual a plano dos norte-americanos para nós?

Nos EUA, eles possuem muito armamento obsoleto estocado, por conta da Guerra Fria (lembremos os escândalos com as armas no Vietnã e Afeganistão). Tais armas são ainda muito eficazes, mas os meninos de lá (os “mariners” que fizeram 700 mil viúvas no Iraque) não possuem mais treinamento para utilizar tais armas (hoje utilizam potentes miras-laser outros e outros aparatos mais modernos).

Qual então o plano dos americanos para tais armas? Vender, é claro. Vender para os países alinhados. Vender para o “combate às drogas”. Assim, o governo deles venderia parte das armas para o governo brasileiro (sob a forma de “convênio” para o combate conjunto das drogas) e outra parte “por debaixo dos panos” para a guerrilha urbana (algo que os EUA já fizeram muitas vezes, como todos sabemos).

Uma tal sistemática, num País grande como o Brasil, poderia contaminar toda a América Latina e fazer consumir rapidamente as armas estocadas nos EUA, hoje sem utilidade para eles.

Tudo isso para dizer: “viva FHC e sua posição contra as drogas”. Ele está de parabéns. Temos um ex-presidente corajoso que enfrenta o tema de cabeça erguida e sem medo (melhor do que o seu par que “fumou mas não tragou”). Abaixo o tráfico e a cocaína nos Governos. Abaixo a ideia de colocar nossos jovens recrutas (sem o preparo necessário) para combater as drogas.

Precisamos que nossos amigos, que tenham contato com a cúpula da campanha de Aécio, o façam voltar atrás dessa ideia de apoio ao aumento da violência. Precisamos que o Senador Aécio leia FHC (de preferência os livros do sociólogo FHC, antes do “esqueçam o que eu escrevi”). Em 2014, de volta ao Senado, se adotar esta linha, Aécio poderá provar que é realmente contra o uso das drogas.

Quando um tucano prometer aprimorar um banco estatal, ele na verdade vai privatizá-lo

carta de covas aos banespianos-2

Os tucanos e seus seguidores privatizam todas as empresas estatais que vêem na frente. FHC privatizou quase tudo, e só não privatizou a Petrobras e Banco do Brasil por falta de tempo, Jaime Lerner (ex-PFL, apoiado pelo PSDB) no Paraná privatizou o Banestado para o Itaú, e Mario Covas (PSDB) privatizou o Banespa para o Santander.

O problema é que Covas prometeu em campanha que iria aprimorar o Banespa, e na verdade o privatizou.

As principais políticas públicas de fomento ao pequeno agricultor e aos pequenos comerciantes se fazem por meio dos bancos estatais, como Caixa Econômica Federal, BB e BNDES.

Deixar esses bancos nas mãos de governos tucanos significa presenteá-los ao mercado financeiro, como propõe Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central de FHC e que seria o Ministro da Fazenda de Aécio Fraga diz que sobraria muito pouco dos bancos estatais federais se Aécio vencesse as eleições.

Esse é o modelo tucano de governar: ao invés de aprimorar a máquina pública, privatiza!

Xô Aécio.

Dilma 13 em 26 de outubro!

Crime Ambiental em São Paulo

Captura de Tela 2014-10-20 às 00.29.31

Por Georghio Tomelin, advogado em São Paulo

Estamos vivendo um crime ambiental sem precedentes em São Paulo. Desde que começou esta crise hídrica, tomamos muitas medidas de economia de água. A conta global do prédio onde moro caiu de 5 mil por mês para 1300, e agora 800 reais. Claro que o desconto concedido pela Sabesp ajudou muito na redução da despesa (e essa foi uma importante iniciativa do Governo do Estado que incentivou algumas pessoas).

Também paramos de usar as descargas dos vasos sanitários (50 litros por vez), dando prioridade para água recolhida do banho e das pias (com baldes e bacias de todos os tamanhos) para a função de descarga. Isso reduziu muito o gasto de todo o prédio. Passamos a tomar banhos rapidíssimos (ligando rapidamente a água no começo e no final) e paramos de lavar tudo o que não fosse extremamente necessário.

Enfim. Digo isso para demonstrar que o tema me preocupa. Com crianças pequenas não dá para ficar sem água. A responsabilidade é todos nós, e a falta de chuvas não tem precedentes.

Em São Paulo penso que elegemos “rapidamente” o Gov. Alckmin do PSDB para que ele pudesse começar imediatamente o rodízio de água. Somente o rodízio pode salvar a Cantareira do risco de extinção. Esses limites de volume morto (nunca utilizado antes) protegem a represa. A tal reserva é o que mantém viva a represa. Se não houver gestão séria da área, o terreno seco impede a retomada do acúmulo de água.

Aquela área da represa pode sim se transformar num deserto, e nunca mais voltar a encher. É um problema do ciclo das águas. Por esta razão está havendo tanto conflito entre o Governo do Estado (Sabesp), o Ministério Público e a Agência Nacional de Águas. O manancial precisa ser protegido e gerido de maneira responsável, o que não está sendo feito pelo Governo do Estado.

Se somos muitos em São Paulo. Se construímos demais. Se impermeabilizamos a cidade toda, temos que arcar com os ônus que criamos. No prédio onde moro, todos estamos suportando já a consequência da irresponsabilidade coletiva. Ninguém tem culpa individualmente, mas o síndico tem que se movimentar.

O mais grave nisso tudo é a postura do Síndico-Mor do Estado de SP, retratada na charge da Folha de São Paulo de 18.10.2014. O médico Alckmin está rasgando o diploma que possui (começo a duvidar que tenha mesmo se formado em medicina). A falta de planejamento da Sabesp é algo indizível, para quem administra a água da maior cidade do mundo abaixo da linha do Equador.

A Sabesp (Companhia de Água de São Paulo) não tem nenhum projeto-piloto (ainda que experimental), por exemplo, de dessalinização da água do mar. Utilizar a água do mar 20 anos atrás era caríssimo e quase impossível. Hoje é plenamente viável e já é feito com custos muito reduzidos em vários países. A Sabesp recebeu do Governador do PSDB a diretiva de NEGAR a falta d’água, para não atrapalhar o quadro eleitoral, e assim vem fazendo. Quanta irresponsabilidade!

Quem retorna para casa um pouco mais tarde a noite, vê os caminhões-pipa circulando por todas as ruas (na cidade de São Paulo há restrição de circulação durante o dia). Apesar disso, a mídia pouco fala do tema (e a charge de hoje da FSP é um verdadeiro milagre). O preço do caminhão-de-água (com 10 mil litros em média) pulou de 400 para 600, mil e 1200 reais (em algumas regiões). E a Sabesp continua negando o racionamento. E avança no volume-morto, arriscando secar o leito da represa (o que mata sua função).

Se o rodízio de água tivesse começado antes (em fevereiro, março ou mesmo julho de 2014) quando todo este quadro já era passível com previsões meteorológicas, várias pessoas mais teriam tomado consciência, e começado a poupar água. Isto porque a realidade é triste, mas as pessoas são assim: só se movem quando “a água começa a bater na bunda” (e aqui ela está faltando).

Vamos ficar parados? O risco de perder votos para o PSDB em São Paulo é maior para o Governador do que a saúde da sua população? Reaja !

Dilma venceu o debate na TV Record

Captura de Tela 2014-10-19 às 23.58.49

Acabou agora o debate da TV Record e a presidenta Dilma Rousseff (PT) foi a melhor da noite, ao mostrar o quanto Lula e Dilma melhoraram o país e quanto Aécio Neves (PSDB) em Minas Gerais, como governador, e o governo FHC (PSDB) foram ruins nas áreas social e econômica.

Os tucanos representam o atraso, a privatização, a precarização da Administração Pública, a dilapidação do patrimônio público e o entreguismo para o mercado financeiro e as elites econômicas.

Dilma caminha para vencer a eleição no próximo domingo.

Juca Kfouri desmascara Aécio Neves

14out2014---dilma-rousseff-pt-e-aecio-neves-psdb-se-cumprimentam-antes-do-debate-da-band-o-primeiro-entre-os-presidenciaveis-que-concorrem-no-segundo-turno-das-eleicoes-presidenciais-na-1413338717715_1920x1080

Na Folha de S. Paulo de hoje

Aécio é assim

Aécio Neves pediu a seu eleitor Ronaldo Fenômeno que tentasse uma aproximação com o pessoal do Bom Senso FC. Ao mesmo tempo, telefonou para José Maria Marin, outro eleitor dele, em Pequim, desejando-lhe sorte antes do jogo contra a Argentina e, depois, parabenizando-o pelo resultado, segundo a CBF divulgou.

Na reinauguração do Mineirão, em abril do ano passado, Marin participou das homenagens a Aécio e o sítio da CBF também noticiou com destaque, coisa que o político escondeu em sua página ao ocultar tanto a foto quanto o nome do cartola.

Atitudes que fazem parte do jeito dele de ser, mineiro, maneiro e, agora, marineiro.

Quando tinha apenas 25 anos, Aécio foi nomeado diretor de Loterias da Caixa Econômica Federal.

Era ministro da Fazenda, no governo Sarney, seu parente, Francisco Dornelles.

Havia três anos que a revista “Placar” denunciara o caso que ficou conhecido como o da “Máfia da Loteria Esportiva” e o presidente da CEF, ex-senador por Pernambuco, Marcos Freire, determinou que o banco, até então nada colaborativo nas investigações, não ocultasse coisa alguma, até para tentar restabelecer a credibilidade da Loteca.

Aécio fez que atenderia, mas não atendeu, apesar de publicamente lembrado do compromisso pelo diretor da revista num programa, na rádio Globo, comandado por Osmar Santos.

Em 2001 quando Aécio já era presidente da Câmara dos Deputados, uma nova simulação.

Corria um processo de cassação do mandato do deputado Eurico Miranda, presidente do Vasco da Gama, e do mesmo partido de Francisco Dornelles, o Partido Popular.

A cassação era dada como certa até que, no dia da decisão, sob a justificativa de comparecer ao enterro da mãe de Dornelles, Aécio se ausentou e o processo acabou arquivado pela mesa diretora da Câmara.

Aécio deixou uma carta a favor da abertura do processo, sem qualquer valor prático. E deixou de votar, o que teria consequência.

Conselheiro do Cruzeiro, foi Aécio quem fez do ex-presidente do clube, Zezé Perrela, o suplente de Itamar Franco, eleito senador, aos 80 anos, em 2010, e falecido já no ano seguinte.

Tudo isso, e apenas no que diz respeito, direta ou indiretamente, ao futebol brasileiro, revela um estilo, um modo de ser.

Que não mudará, caso seja eleito presidente da República, o futebol brasileiro, como Marin, aliás, acha que não tem mesmo de mudar.

Datafolha: Lula dá votos para Dilma, FHC e Marina tiram votos de Aécio

Captura de Tela 2014-10-15 às 23.12.09

Segundo a pesquisa do Datafolha divulgada hoje, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é o melhor cabo eleitoral do Brasil, pois 37% dos brasileiros são levados a escolher a candidata de Lula.

Já o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) é o pior cabo eleitoral, pois apenas 16% dos brasileiros seriam levados a votar no candidato de FHC e 28% não votariam no candidato do ex-presidente tucano.

Marina Silva (PSB, ex-PT, ex-PV, futura Rede Sustentabilidade) não é boa cabo eleitoral, pois apenas 20% dos brasileiros votariam em seu candidato e 23% não votariam em seu candidato.

Ou seja, tanto FHC quanto marina mais tiram votos do que dão votos para quem eles apoiarem.

E como eles apoiam Aécio, são más notícias para o tucano.

Já Dilma, com o apoio de Lula, tem mais é que se aproveitar do petista, considerado o maior presidente do Brasil de todos os tempos.

Foram ouvidas 9.081 pessoas em 366 municípios, com nível de confiança de 95%, com registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) BR 01098/2014.

Captura de Tela 2014-10-15 às 23.13.47

Datafolha: aumenta muito a rejeição a Aécio e cai a de Dilma

14out2014---dilma-rousseff-pt-e-aecio-neves-psdb-se-cumprimentam-antes-do-debate-da-band-o-primeiro-entre-os-presidenciaveis-que-concorrem-no-segundo-turno-das-eleicoes-presidenciais-na-1413338717715_1920x1080

A pesquisa do Datafolha divulgada hoje, que aponta empate técnico entre a presidenta Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), mostra um aumento substancial na rejeição a Aécio e uma queda da rejeição a Dilma. Não votam “de jeito nenhum” no tucano 38% (era 34% no dia 9) e em Dilma caiu de 43% para 42%.

Foram ouvidas 9.081 pessoas em 366 municípios, com nível de confiança de 95%, com registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) BR 01098/2014.

Professores do Colégio Estadual do Paraná declaram: “nenhum voto em Aécio, votamos Dilma 13”

colegio-estadual-parana

CARTA ABERTA DE EDUCADORES DO CEP

O futuro da educação e do país está em nossas mãos!

NESTE 2° TURNO, NENHUM VOTO EM AÉCIO! VOTAMOS DILMA!

Ano passado, durante as manifestações de junho, iniciadas pelo descontentamento de milhares de jovens e trabalhadores contra o aumento das passagens de ônibus e que transbordaram para diversos temas como melhorias nos serviços públicos em geral, uma onda espalhou-se pelo país. O sentimento de mudança e descontentamento com as nossas instituições políticas foi a tônica. O sentimento era: com esse Congresso e com nossas atuais instituições, não dá!

Contraditoriamente a esse sentimento de mudança, foi eleito o Congresso nacional menos ligado as lutas sociais e mais conservador desde 1964 (dados do DIAP), passando de 220 para 280 parlamentares empresários (+27%), 130 para 160 ruralistas (+23%). Já os sindicalistas caíram de 83 para 46 (-44%). Houve crescimento de deputados ligados a setores homofóbicos e militares (do lobby da indústria de armas).

A presidenta Dilma, à época das manifestações de junho de 2013, respondeu que “para mudar é preciso mudar as instituições” e propôs uma Constituinte para uma reforma política.

A reforma política é fundamental para mudarmos os atuais mecanismos de representação no Congresso dominado pelo poder econômico e que trava pautas como reforma agrária, reestatizações, mais verbas para -e apenas- os serviços públicos, desmilitarização das PM’s.

No entanto, sem uma reforma política que acabe, por exemplo, com o financiamento privado de campanhas, estabelecendo o financiamento igualitário e público de campanha ou o voto em lista partidária para se impedir o “voto ratinho” e fortalecer o voto programático/ideológico, sem reforma, nada mudará!

A presidenta Dilma acenou com a reforma política. Cerca de 8 milhões de brasileiros na semana de 7 de setembro votaram 97% pelo SIM no Plebiscito Popular pela Constituinte Exclusiva e Soberana pela Reforma Política. Essa força social deve ser dirigida à candidata que, ao nosso ver, reúne as condições de levar adiante tal proposta.

Muitos de nós que assinamos este texto temos diferentes avaliações sobre o governo Dilma. Muitos de nós votamos em Dilma no 1° turno. Outros aderentes desta carta votaram em outros candidatos. Porém, há algo que nos unifica: a rejeição completa de tudo o que representa Aécio Neves e seu partido, o PSDB!

Na análise dos projetos de Estado que representam as duas candidaturas, percebe-se claramente que Dilma representa a continuidade do fortalecimento das políticas sociais, entre essas as da educação. Neste último período tivemos o início de um processo de recuperação da valorização dos profissionais da educação brasileiros com a Lei Nacional do Piso dos professores, conquista histórica da categoria. Foi neste governo que tivemos o primeiro programa de profissionalização dos funcionários de escola, o Profuncionário.

O candidato Aécio Neves, ex-governador de Minas Gerais, representa nestas eleições o retrocesso: o ideário do neoliberalismo e do Estado mínimo. O candidato Aécio Neves/PSDB representa a política direta do capital internacional interessado na privatização do patrimônio público, nas terceirizações e ataque às carreiras (travestidas de bônus por mérito), no controle direto do “mercado” da política monetária (fixação das taxas de juros) através da independência do Banco Central (defendido por Marina e em seguida por Aécio) com graves consequências para os serviços públicos (a relação dívida pública/orçamento público tenderia a aumentar).

Samuel Pessoa, membro da equipe de campanha de Aécio defendeu a privatização da Universidade pública (Folha de SP, 29/06) através de cobranças de taxas ou mensalidades. Trata-se de uma tese pronta para, caso Aécio/PSDB vença as eleições, ser apresentada como solução para os problemas financeiros nas Universidades.

O contraste entre esse modelo privatista do PSDB e o que conseguimos avançar na educação nos governos Lula e Dilma é gritante. Criaram-se 18 novas Universidades federais e 173 campi nos últimos 12 anos. Nos 08 anos do governo do PSDB (1995-2002) não foi criada NENHUMA Universidade federal!

Nos últimos 12 anos, dobrou o número de matrículas nas Universidades brasileiras e milhares de estudantes tiveram a oportunidade de estudar no exterior pelo programa Ciência sem Fronteiras. O orçamento federal do setor cresceu 223%, passando de R$ 18 bilhões para R$ 112 bilhões. No governo Lula, foram criadas 214 novas escolas da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. No governo Dilma, foram mais 208 escolas. Em apenas 12 anos, a rede de educação profissional federal saltou de 140 escolas em 119 municípios para 562 em 507 municípios.

Os recursos para a educação precisam continuar sendo ampliados. O PNE (Plano Nacional de Educação) aprovado no governo Dilma, prevê aumento para 10% do PIB (cerca de R$ 200 bilhões a mais) no investimento em educação. É fundamental que o Pré-sal esteja sob controle estatal para garantir que 75% dessas verbas possam ir para a educação e 25% para a saúde (como aprovado pelo governo Dilma).

O Piso salarial para os educadores precisa ser implementado em todo o país, e as condições de trabalho dos educadores precisam ser melhoradas. Portanto, para nós, Dilma representa a manutenção das conquistas e a garantia de novos avanços necessários para a educação pública de qualidade e para a construção de um país mais justo, solidário e democrático.

Por isso, nós, educadores do Colégio Estadual do Paraná, declaramos e indicamos voto em Dilma. Pelo projeto de Estado que ela representa, pelos avanços conquistados e por tantos outros que apenas nossa luta poderá obter. Contra o retrocesso e a favor das reformas sociais que o povo necessita, no dia 26 de outubro é Dilma Rousseff, presidenta do Brasil.

Curitiba, outubro de 2014.

Assinam os educadores do CEP:

Continuar lendo

Você já imaginou sua vida nas mãos dos bancos Santander, Itaú, HSBC e Bradesco?

bacos_hsbc_santander_itau

A proposta de Aécio Neves (PSDB) e daquele que seria seu Ministro da Fazenda, Armínio Fraga, o mesmo do governo FHC, é de privatizar ou enfraquecer o BNDES, a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil. Além disso eles querem a independência do Banco Central.

Ou seja, Aécio não quer mais que o BNDES, o BB e a Caixa façam fomento econômico e social como fazem hoje. Aécio não quer mais que esse bancos emprestem dinheiro a juros baixos para pequenos agricultores e pequenos empresários.

Com a independência do Banco Central e o mandato fixo dos seus dirigentes, Aécio quer que o governo democraticamente eleito não possa mais tomar decisões econômicas. Isso ficaria nas mãos do Banco Central, que seria independente do governo. O problema é que ao ser independente do governo, o BC não vai tomar decisões a favor dos cidadãos, mas sim a favor de quem tem mais poder financeiro, os bancos, e no modelo privatista do PSDB, nas mãos dos bancos privados.

Se você não gosta de governos, você pode tirá-los do poder de 4 em 4 anos. Qual poder você terá contra o oligopólio de três ou quatro bancos privados?

Você sabia que o BB e Caixa abaixaram os juros e forçaram que os bancos privados abaixassem os juros?

Você já imaginou um país nas mãos dos banqueiros privados?

Isso será realidade se Aécio Neves vencer as eleições neste segundo turno.

PSDB de Aécio continua querendo censurar o Blog do Tarso

Os censuradosres Beto Richa e Aécio Neves, hoje em Curitiba. Há denúncias de que servidores comissionados foram liberados mais cendo, em horário de trabalho, para aplaudirem Aécio em bairro nobre de Curitiba. Foto de Henry Milleo/Agência de Notícias Gazeta do Povo

Os censuradores tucanos Beto Richa e Aécio Neves, hoje em Curitiba. Há denúncias de que servidores comissionados do Paraná foram liberados mais cedo, em horário de trabalho, para aplaudirem Aécio em bairro nobre de Curitiba. Foto de Henry Milleo/Agência de Notícias Gazeta do Povo

Aécio Neves (PSDB) é famoso ao tentar em várias oportunidades censurar a internet, o Google, as redes sociais, blogueiros e ativistas digitais. Para ele democracia é o poder que ele tem de comprar os meios de comunicação em Minas Gerais e no país para falarem bem dele e de seus medíocres governos.

Beto Richa (PSDB), o governador reeleito do Paraná, segue o mesmo caminho. Seu grupo, incluindo advogados comissionados que ganham mais de R$ 10 mil reais dos cofres públicos nos períodos de pré e pós campanha, já conseguiram que o TRE-PR multasse o Blog do Tarso em R$ 106 mil por duas simples enquetes. O autor do Blog, Tarso Cabral Violin, tenta de todas as formas no TSE anular essa multa que pode simplesmente “matar” o Blog do Tarso, que não tem finalidade lucrativa e nem pessoa jurídica é.

No primeiro turno Beto Richa já conseguiu censurar na Justiça Eleitoral um post do Blog do Tarso que denunciava que a família Richa iria residir no prédio mais caro do Paraná.

Eis que hoje chegou às mãos do autor do Blog do Tarso mais uma tentativa de censura do PSDB. A coligação estadual com o partido de Aécio, do DEMO (ex-PFL, ex-PDS, ex-ARENA) e PSB (partido de aluguel de Marina Silva), tentou conseguir uma liminar nas vésperas do primeiro turno para tentar censurar um post do Blog do Tarso que simplesmente informava que um candidato a deputado federal no Paraná tinha chances de ser eleito, segundo o DIAP.

O PSDB de Aécio Neves, que não conseguiu, por enquanto, censurar o post, quer que Tarso Cabral Violin seja condenado a pagar entre R$ 53.205,00 (cinquenta e três mil e duzentos e cinco reais) e R$ 106.410,00 (cento e seis mil e quatrocentos e dez reais) (Lei nº 9.504/97, art. 33, § 3º).

O juiz auxiliar Lourival Pedro Chemin negou a liminar com o anti-democrático pedido do PSDB do Paraná e agora Tarso Cabral Violin tem apenas 48 horas para se defender. Ainda bem que contará mais uma vez com a defesa de um dos maiores advogados do Direito Eleitoral do país, o Dr. Guilherme Gonçalves.

Se essa gente faz isso sem estar no Poder Federal, imaginem se vencessem a eleição?

Jovens até 24 anos votam em Aécio porque não viveram a era FHC

FHCaecioneves

Na pesquisa Datafolha de ontem, que mostra empate entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), aponta que Aécio tem mais votos entre os adolescentes e jovens de até 24 anos, do que Dilma (58% a 42). Nas demais camadas de idade há empate técnico.

A razão é simples. Em 2012, o último ano do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), esses jovens tinham entre 4 e 12 anos, ou seja, eram crianças.

O governo FHC foi altamente corrupto e desastroso para o Brasil com as privatiuzações e compra de votos para reeleição. A Privataria Tucana desestruturou a Administração Pública, a inflação era o dobro da de hoje, o desemprego bem maior, a economia ia muito mal.

E Aécio era o presidente da Câmara dos Deputados entre 2001 e 2002 e responsável pela negociação da aprovação das leis de FHC que foram péssimas para o país.

57% dos brasileiros não votam em quem FHC indicar.

Queridos jovens, se informem, estudem, vejam o quanto o governo do PSDB foi ruim para o Brasil e quanto o Brasil melhorou nos últimos 12 anos. E Aécio representa o passado, uma idelogia do passado, o neoliberalismo, que foi varrido da América Latina e está querendo voltar com Aécio.

O Brasil precisa continuar no caminho certo, sem retrocessos, buscando o desenvolvimento econômico e social de forma sustentável.

E é essencial que os jovens participem e continuem participando da política brasileira, mas sem serem influenciados com o que diz a velha mídia reprentadada pela Globo, Veja e Folha de S. Paulo.

E viva a democracia!