Beto Richa ameaça os professores

tn_620_600_beto2-ivan_amorim_110810

O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), ameaçou, hoje (28), os professores e educadores públicos que estão em greve desde ontem:

“Voltem para a sala de aula, senão o salário será descontado e isso vai afetar a ascensão no plano de carreira!”

Hoje a polícia militar agrediu os professores que estavam no Centro Cívico.

Professores em greve são agredidos pela polícia no Paraná

Choque de Gestão. Foto de Leandro Taques

Choque de Gestão. Foto de Leandro Taques

Obra de arte de Joka Madruga

Obra de arte de Joka Madruga

Foto de Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Foto de Jonathan Campos/Gazeta do Povo

GREVE PROFESSORES 7JC

Foto de Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Rodolfo Buhrer/La imagem/Fotoarena/Folhapress

Foto de Rodolfo Buhrer/La imagem/Fotoarena/Folhapress

Atualizado às 18h51

Professores e educadores públicos do Paraná, em greve, foram agredidos pela Polícia Militar hoje (28), no Centro Cívico, em Curitiba, na região da Assembleia Legislativa e do Palácio Iguaçu.

Veja as cenas chocantes aqui e no Facebook de Rogerio Zanetti. Fotos e vídeos da Gazeta do Povo aqui. Mais imagens fortes da RPC/Globo, aqui. A APP-Sindicato tentou acalmar os policiais, aqui. Um vídeo do alto aqui. Um vídeo completo aqui.

Os professores voltaram ontem à greve, uma vez que o governo Beto Richa (PSDB) pretende reformar a previdência com claros prejuízos aos servidores públicos.

Os cidadãos estão sendo impedidos pela PM de entrar na Assembleia Legislativa do Paraná.

Na madrugada os professores já haviam sido agredidos, e responderam com “Ei, polícia, vai prender o Beto Richa” aqui.

Captura de Tela 2015-04-28 às 12.24.27

Vídeos com a decisão do STF sobre a constitucionalidade das Organizações Sociais

No dia 16.04.2015, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pela validade da prestação de serviços públicos não-exclusivos por Organizações Sociais em parceria com o Poder Público. A celebração dos contratos de gestão com tais entidades deve ser conduzido de forma pública, objetiva e impessoal, com observância dos princípios constitucionais que regem a Administração Pública.

Captura de Tela 2015-04-28 às 01.03.09

A Corte julgou parcialmente procedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 1923, dando interpretação conforme a Constituição às normas que dispensam licitação em celebração de contratos de gestão firmados entre o Poder Público e as organizações sociais para a prestação de serviços públicos de ensino, pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico, proteção e preservação ao meio ambiente, cultura e saúde.

No primeiro vídeo acima aproximadamente no minuto 11 (dia 15.04.2015), no segundo vídeo na 1h16min e continuação no vídeo abaixo: