Roseni Cabral Violin: juventude precisa ser mais atuante, mais ousada, vejo nela toda a força que necessitamos para mudar o Brasil, sou otimista e acredito nela

Roseni Violin: a juventude é a esperança. Foto de René Ruschel da Carta Capital Curitiba

Parte da reportagem publicada na revista Carta Capital em 10.05.2017 de René Ruschel:

https://www.cartacapital.com.br/politica/a-liberdade-de-lula-e-a-nossa-liberdade

Se a juventude é a esperança de um futuro melhor, a experiência e a sabedoria do passado não podem ser esquecidas. No vai e vem de pessoas que transitam pelo acampamento, a professora aposentada Roseni Cabral Violin, 77 anos, chama a atenção. Passos lentos, amparada pelo filho, caminha e observa tudo o que vê. “Sempre fui muito preocupada com as questões sociais” afirmou. Na adolescência, fez parte da Juventude Estudantil Católica (JEC), um movimento ligado à Igreja Católica que teve grande importância na resistência à ditadura militar de 64.

Depois, o casamento com um físico, professor da USP e os filhos, fizeram-na abandonar a militância política. “Na sala de aula, como professora, continuei engajada na discussão das questões sociais com os jovens”. Para ela, a juventude hoje perdeu um pouco daquele ímpeto de sua geração. “Às vezes penso que nossa geração falhou em alguma coisa. Mas também reconheço que os tempos são outros. Acho que o consumismo exagerado mudou o perfil da juventude. Precisam ser mais atuantes, mais ousados. Por isso estou aqui hoje. Vejo neles toda a força que necessitamos para mudar o Brasil. Sou otimista e acredito na juventude”.

Anúncios

Um comentário sobre “Roseni Cabral Violin: juventude precisa ser mais atuante, mais ousada, vejo nela toda a força que necessitamos para mudar o Brasil, sou otimista e acredito nela

  1. Só que tem uma coisa. Vejo muitos jovens participativos e empenhados em movimentos sociais, Diretórios Estudantis, Partidos e etc. e tal, mas existe um porém com relação a repressão. Os milicos para conter a manifestação que vai pra rua para reivindicar os seus direitos, ou mata ou aleija. Não sou jovem, mas estou indo às manifestações lado a lado com muitos jovens no Rio de Janeiro. Mas teve um dia a repressão foi tão violenta, com bomba de gás de todo tipo, que hoje só fico pigarreando como se algo tivesse preso na minha garganta e tive um pisoteamento em um dois pés que já têm mais de 5 meses que estou mancando. O médico só diz descansando… é só descanso… Só estou descansando, mas até agora, nada de parar a dor. Infelizmente, são os ossos do ofício. Agora, o que acho é que temos que nos organizar e sair preparado seja de que maneira for. Se estamos entrando em uma guerra, não vamos colocar esse negócio, de Paz e Amor. Sou mais a filosofia do Malcom X do que Martin Luther King que infelizmente, os dois e dentre outros acabaram assassinados.

    E outra, Roseni é mais ou menos a minha idade, provavelmente, fez parte também da minha geração. E não concordo, quando ela diz, que “a nossa geração falhou em alguma coisa…”. Que ela me desculpe, acho que não. A nossa geração abriu caminhos, e a geração seguinte e outras mais, é que tem que dar continuidade aos avanços conquistados, nem que seja na base do confronto. Namastê para todos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s