95% dos brasileiros rejeitam o novo código florestal

O DataFolha realizou pesquisa sobre a reforma do Código Florestal com 1.286 e verificou que 95% dos entrevistados não aceitam manter plantações e a pecuária existentes hoje em Áreas de Preservação Permanente (APPs), como encostas íngremes, topos de morro e margens de rios.

A pesquisa foi encomendada por seis ONGs ambientalistas: Amigos da Terra – Amazônia Brasileira, Imaflora, Imazon, Instituto Socioambiental, Fundação SOS Mata Atlântica e WWF-Brasil.

O DataFolha ainda constatou que 79% dos entrevistados apoiam o eventual veto da presidente Dilma Rousseff, caso o Senado aprove a mesma proposta aceita pela Câmara. Na opinião da maioria das pessoas ouvidas pela pesquisa (85%), o País deve priorizar a proteção das florestas.

Belmiro Valverde Jobim Castor faz constatação correta mas conclui equivocadamente sobre a Administração Pública

O Professor Belmiro Valverde Jobim Castor fez hoje na Gazeta do Povo uma interessante constatação sobre a Administração Pública brasileira, ressaltando os baixos salários dos bombeiros e dos servidores públicos nas áreas de educação, saúde e segurança, e criticando os aspones (assessores de porra nenhuma), os asmenes (assessores de merda nenhuma), as ONGs chapa-brancas e OSCIPs. Mas erra ao final, ao recomendar um “choque de gestão” para emagrecimento da máquina pública. Os choques de gestão são utilizados simplesmente para uma maior precarização da Administração Pública, inclusive nas áreas da saúde, educação e segurança, e privatização dessas atividades, via ONGs, OSs e OSCIPs. Veja o texto:

Continuar lendo

Fantástico chama obra milionária de Jaime Lerner de “Elefante Branco”

O programa Fantástico acabou de chamar uma obra do Governador Jaime Lerner de “Elefante Branco”. A obra, no valor de R$ 7 milhões (atualizado), são as bases náuticas construídas em 1997 para os Jogos Mundiais da Natureza, no Lago de Itaipu, na região de Foz do Iguaçu, Paraná. Ela foi abandonada pelo próprio Lerner, pois o evento foi realizado apenas uma vez.

Com a palavra o ex-Governador, que pode ser encontrado toda a semana no restaurante Madero do Juvevê.

Veja a matéria completa. Clique aqui

A Anti-Palocci

Por Luis Fernando Verissimo (hoje na Gazeta do Povo)

Dizem que a Dilma mandou ligar para a casa do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e da sua mulher Gleisi para fazer o convite para chefiar sua Casa Civil. Qual dos dois seria o convidado?

– O que atender – disse Dilma.

Outros dizem que a decisão já estava tomada. Paulo Bernardo era cotado para ser o escolhido, mas tinha a contagem de cromossomos errada. Dilma queria alguém o mais diferente do Palocci possível. Ou seja, loira e bonitinha. Paulo Bernardo é um articulador político experimentado e orientará sua mulher nessa área, o que significa que algumas das mais importantes confabulações da República serão feitas na mesa de café do casal. Frases como “Passe o pão” poderão adquirir significados até agora insuspeitados.

Cresce a presença feminina no gabinete da Dilma e é possível que até o fim do seu mandato só sobre, como homem, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, que passaria a participar das reuniões do Ministério em uniforme de campanha, por precaução.

FSP tentou com Gleisi e não conseguiu. Agora Veja tenta desacreditar o novo Senador Sérgio Souza.

O jornal Folha de S. Paulo tentou desacreditar a nova Ministra Gleisi Hoffmann e não conseguiu. Agora a revista Veja ataca o suplente de Gleisi no Senado, que irá assumir sua vaga na terça-feira, o advogado Sérgio Souza. A Veja de hoje diz que o novo Senador é investigado por fraude, o chama de inseto e “Senador gafanhoto”, e acusa que sua mãe era funcionária fantasma da Assembleia Legislativa do Paraná, mas nunca foi trabalhar. A matéria ainda chama o ex-Governador Orlando Pessuti de “gafanhoto-chefe”, pois segunda a revista recebia salário da AL/PR sem nunca prestar concurso público, e também acusa a ex-primeira-dama Regina Pessuti de receber da Assembleia sem trabalhar.

Espero que os citados consigam direito de resposta na revista Veja, assim como indenizações por danos morais.

Gazeta do Povo diz que o novo Senador do Paraná, Sérgio Souza, é a favor da posição dos ruralistas. Espero que não!

A Gazeta do Povo de hoje disse que o novo Senador do Paraná, Sérgio Souza (PMDB), suplente de Gleisi Hoffmann, em relação ao Código Florestal, faz questão de afirmar que “agricultor não é bandido”. “Esse é um ponto que tem que ficar muito bem claro”. Segundo a Gazeta isso mostra claramente a sua posição a favor dos ruralistas. Espero que a Gazeta do Povo esteja errada!

Folha de S. Paulo fez um “pente-fino” nas gestões de Gleisi no MS e em Londrina

O jornal Folha de S. Paulo fez um “pente-fino” nas gestões da Ministra da Casa Civil Gleisi Hoffmann, de quando ela atuou na Administração Pública no Mato Grosso do Sul e em Londrina. Publicou o resultado das suas investigações hoje e, ao que parece, se decepcionou por não achar nada que denegrisse a imagem de Gleisi.

A Folha encaminhou seus repórteres para Campo Grande e Londrina, e verificou que a Ministra participou do governo do PT em Mato Grosso do Sul, de 1999 a 2001, e em 2022 foi Secretária em Londrina, no Paraná.

O jornal apurou que ela era “dura, mas doce”. Parece até o slogan do Blog do Tarso “ácido, mas sem perder a ternura jamais”.

No governo sul-mato-grossense de Zeca do PT, ela fez uma reforma administrativa que incluía cortes de gastos e de pessoal, fusões e extinções de empresas públicas e mudanças no sistema previdenciário estadual. Sofreu resistência natural do movimento sindical que dava suporte ao governo. “Nós a víamos como uma tecnocrata que defendia uma reforma neoliberal, aos moldes do governo de FHC”, disse para a Folha o secretário-geral da CUT-MS, Alexandre Costa. A reforma pretendia implantar conceitos como metas e prêmios por mérito.

Depois Gleisi foi nomeada secretária de Gestão Pública de Londrina em abril de 2002, na gestão do prefeito Nédson Micheleti (PT). De lá, só saiu para integrar a equipe de transição de Lula. A principal ação dela foi iniciar um plano de cargos e salários em meio a um cenário de enxugamento de gastos, como ocorreu em MS. As contas foram equilibradas no segundo ano de mandato.

A Folha apurou que Gleisi Hoffmann é “dura, mas justa” e muito competente, segundo o ex-governador de MS José Orcírio Miranda dos Santos (PT), o Zeca do PT: “Ela era dura e cobrava muito, mas era justa. E sempre soube dialogar com as forças políticas e os movimentos sindicais.”

Segundo o ex-presidente do PT de Londrina Jacks Dias, Gleisi despertava muita “ternura e empatia”. O atual prefeito da cidade, Barbosa Neto (PDT), diz que Gleisi tem jeito “muito educado, angelical”.