Casa-Grande

970315_543192902413242_1598213158_n

Pode chamar de elite branca, de área VIP, reis do camarote, Casa-Grande, aristocracia, nobreza, fidalguia, entre outras denominações.

Essa gente nunca vai aceitar o fim dos seus privilégios, a redução das desigualdades, que seus filhos estudem na mesma instituição de ensino do filho do pobre, pagar impostos, que o Estado não seja seu serviçal, que o Direito não seja sua garantia de manutenção do status quo, direitos trabalhistas que atrapalhem seus negócios, eleições realmente democráticas sem a interferência do dinheiro, empregados que não saibam seu lugar, minorias com voz e direitos garantidos, limitação na propriedade privada, entre outras, segundo eles, aberrações.

A dúvida é se uma sociedade, uma nação, pode sonhar acabar com os privilégios da aristocracia com reformas gradativas, com o fortalecimento lento de suas instituições, ou se em países nos quais não ocorreram revoluções seria essa a única saída.

Sendo por meio de reformas ou revoluções, para quem quer mudar uma sociedade a pergunta que fica: qual deve ser nosso próximo passo?

Governar para os pobres e para a classe-média e romper com as elites financeiras

dilma-oficial

Nas manifestações de hoje participaram menos de um por cento dos brasileiros e em sua maioria foram compostas por ricos e membros da classe média-alta.

Mesmo assim a presidenta Dilma Rousseff (PT) deve se utilizar desse movimento para ajustar seu governo no rumo da manutenção das conquistas sociais para os miseráveis e pobres e para a ampliação de conquistas para a classe-média.

Para isso a saída é o rompimento com o mercado financeiro.

Taxação das grandes fortunas e aumento substancial do imposto de transmissão de bens intervivos, a exemplo do que ocorre nos Estados Unidos da América, o que seria uma ação junto aos estados e municípios.

Aumento substancial da educação e saúde públicas, estatais, universais e gratuitas, como manda a Constituiçao de 1988, a exemplo de Cuba e vários países europeus, o que desoneraria a classe-média do pagamento de escolas particulares e planos de saúde.

Aumento substancial do investimento junto aos estados e municípios no transporte público e em ciclovias, para diminuir o trânsito de automóveis nas ruas e reduzir os gastos da classe-média com transporte motorizado individual.

Incentivo, fomento e desoneração ainda maior para micros, pequenas empresas e cooperativas.

Um escalonamento da cobrança do Imposto de Renda com isenção total para também a classe-média-média, e aumento do pagamento por milionários e ricos.

Ações que seriam realizadas junto com o Parlamento, estados, municípios, brasileiros pobres, classe-média e pequenos empresários. Os milionários, ricos, bancos, Rede Globo, Veja e velha mídia seriam contrários, mas Dilma teria amplo apoio da sociedade, que cobraria nossos parlamentares e o Poder Público nesse sentido.

Isso não é revolução, é reforma. Uma reforma que já correu nos países desenvolvidos no século passado e que é o mínimo que se pretende de um governo de centro-esquerda.