Quinta conversarei com Vera Karam de Chueiri e Paulo Salamuni

Na quinta-feira, dia 20.08, às 19h, o Prof. Dr. Tarso Cabral Violin receberá a Prof.ª Dr.ª Vera Karam de Chueiri e o Dr. Paulo Salamuni, no seu programa “Estado e Administração Pública em Debate”, que será transmitido na página do Facebook e no canal do Youtube do Instituto Edésio Passos, com o tema Estado, Política e Democracia. Vera é Professora de Direito Constitutional da UFPR, onde foi Diretora da Faculdade de Direito, Mestre em Direito (UFSC), Doutora e Mestre em Filosofia (New School for Social Research), Pós-Doutora pela Universidade de Yale (EUA), é coordenadora do Núcleo Constitucionalismo e Democracia do Centro de Estudos da Constituição (UFPR) e foi Professora visitante em Portugal e na Alemanha. Salamuni é advogado, Procurador do Município de Curitiba, foi fundador do Centro Acadêmico Sobral Pinto (Direito PUCPR), vereador por sete mandatos e presidente da Câmara Municipal de Curitiba. O Professor Tarso é Advogado, Mestre e Doutor (UFPR), Professor de Direito Administrativo, Sócio-Fundador do Instituto Edésio Passos, foi aluno da Professora Vera, escreveu texto no livro Estudos em Direito, Política e Literatura, coordenado por Vera, e ex-presidente do CASP, fundado por Salamuni.

Esperamos você!

Você pode acessar o canal por aqui: http://www.youtube.com/c/InstitutoEdésioPassos

Ou pelo Facebook:

https://www.facebook.com/InstitutoEdesioPassos/

CPI do ICI

Paulo Salamuni, presidente da Câmara Municipal de Curitiba, disse  neste domingo no programa Jogo do Poder Paraná do advogado Luiz Carlos da Rocha que pode ocorrer uma CPI do ICI – Instituto Curitiba de Informática.

O ICI é uma entidade privada que lida com um orçamento semelhante ao da Câmara Municipal de Curitiba, mas de forma totalmente não transparente.

Além disso o ICI foi citado na CPI da Urbs, pois recebeu R$ 32 milhões sem licitação da Prefeitura de Curitiba e quarterizou para a empresa privada Dataprom, e repassou R$ 29 milhões, tudo sem licitação.

O ICI é uma OS – organização social, um modelo totalmente inconstitucional.

Salamuni diz que a eleição para Ouvidor de Curitiba será em fevereiro de 2014

1522109_715942748430087_1263084478_n

O presidente da Câmara Municipal de Curitiba, Paulo Salamuni, que está moralizando a Câmara Municipal, informou neste domingo no programa Jogo do Poder Paraná do advogado Luiz Carlos da Rocha que a eleição para Ouvidor de Curitiba será em fevereiro de 2014.

Primeiro será formada uma lista tríplice com a escolha de três vereadores, três secretários municipais e três representantes da sociedade civil organizada, como por exemplo a OAB/PR.

Depois serão os vereadores que escolherão o primeiro ouvidor eleito de Curitiba, que terá mandato de dois anos, prorrogável por mais dois.

Sou candidato e conto cada vez mais com o apoio de professores, advogados, juristas, jornalistas, políticos, estudantes e políticos.

Salamuni e Mirian Gonçalves discutem feriado da Consciência Negra com Giacóia

JADE2229

A suspensão do feriado da Consciência Negra em Curitiba pelo Tribunal de Justiça do Paraná, que atende à solicitação da ACP e do Sinduscon, está sendo discutida agora no Ministério Público com seu procurador-geral Gilberto Giacóia, o presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Salamuni, a vice-prefeita e secretária do Trabalho e Emprego Mirian Gonçalves, o representante do Movimento Negro, Saul Dorval da Silva e a advogada Melina Breckenfeld.

Favoráveis ao dia da consciência negra na capital do Paraná, garantido pela lei 14224/2013, promulgada pelo presidente da Câmara de Vereadores Paulo Salamuni, em janeiro, eles buscam uma solução junto ao Ministério Público para o impasse. Ao todo mais de 1000 municípios instituíram o feriado, entre eles, Rio de Janeiro e São Paulo.

No sul do Brasil, Curitiba e sua região metropolitana possuem a maior população de afrodescendentes, são mais de 344 mil.

Veja mais em: O feriado do dia da consciência negra é constitucional

Direito, Política, Futebol e BBB13

5aa61a95-112a-4d4e-8668-3daf262e27fd_grande

Em época de férias e falta de assunto, vejam o que as notas políticas da Gazeta do Povo de domingo publicou:

Da Câmara para o BBB

Uma das seis participantes da Casa de Vidro, que serve como seleção para o Big Brother Brasil 13, é uma velha conhecida do recém-eleito presidente da Câmara de Vereadores de Curitiba, Paulo Salamuni (PV). Kelly Baron, 26 anos, trabalhou como secretária do vereador entre 2006 e 2008. Formada em Direito, ela já foi miss Paraná (2006), musa do Coritiba (2009) e uma das cinco finalistas do concurso Garota Verão 2010, promovido pela Gazeta do Povo. Salamuni diz que está na torcida pela ex-funcionária. “Quando ela ganhar uma bolada, aí eu é que viro assessor dela”, disse.

Pronto, a Gazeta do Povo juntou política, futebol, direito, mulher bonita e Big Brother Brasil 13. Querendo aumentar a audiência?

Captura de Tela 2013-01-07 às 00.51.35

A Miss Curitiba 2006, Kelly Baron, com o então prefeito de Curitiba, Beto Richa, e suas adversárias

Salamuni é o novo presidente da Câmara Municipal de Curitiba para acabar com as imoralidades na Casa

184484_507159772662685_1409595527_n

Como apoiou a previu o Blog do Tarso, o vereador Paulo Salamuni (PV) foi eleito hoje como novo presidente da Câmara Municipal de Curitiba, por 37 votos a 1. A renovação não foi total, com vários vereadores que eram da base de apoio do ex-prefeito Luciano Ducci (PSB) e apoiadores do ex-presidente João Cláudio Derosso (ex-PSDB).

Esta a nova composição da mesa diretora da Câmara:

Presidente – Paulo Salamuni (PV)

1º vice-presidente – Tito Zeglin (PDT)

2º vice – Julieta Reis (DEM)

1º secretário – Ailton Araújo (PSC)

2º secretário – Serginho do Posto (PSDB)

3º secretário – Zé Maria (PPS)

4º secretário – Jairo Marcelino (PSD)

Corregedora – Noemia Rocha (PMDB)

Vice-corregedor – Chico da Uberaba (PMN)

Também como adiantou ontem o Blog do Tarso, o vereador Pedro Paulo (PT) será o líder do prefeito Gustavo Fruet (PDT).

Vereador Paulo Salamuni será o novo presidente da Câmara Municipal de Curitiba

Captura de Tela 2013-01-01 às 22.31.20

O Vereador Paulo Salamuni (PV) será eleito em voto aberto amanhã como novo presidente da Câmara Municipal de Curitiba. Faltam pequenas definições sobre os demais membros da mesa diretora.

Não haverá bate-chapa.

Após importante renovação no poder Executivo de Curitiba, com o novo prefeito Gustavo Fruet (PDT-PT-PV), o Poder Legislativo curitibano também passará por modificações essenciais para a cidade.

Requião elogia Salamuni para a presidência da Câmara Municipal de Curitiba

paulo-salamuni

O senador Roberto Requião (PMDB) elogiou o vereador Paulo Salamuni (PV), que é candidato à presidência da Câmara Municipal de Curitiba. Em resposta ao Blog do Tarso no Twitter, Requião disse que Salamuni é um “bom candidato” à presidência. Salamuni também tem o apoio do prefeito eleito Gustavo Fruet (PDT) e da bancada de vereadores do PT, PV e PDT.

Espera-se que a vereadora Noêmia Rocha, única vereadora eleita do PMDB em Curitiba e que sempre foi oposição ao atual prefeito Luciano Ducci (PSB), derrotado na eleição ainda no primeiro turno, também vote em Salamuni.

Conforme primeiro noticiou o Blog do Tarso, a eleição para a presidência da Câmara será com voto aberto, no dia 02 de janeiro de 2013. Um famoso blog de Curitiba repetiu essa informação sem citar a fonte.

Boa sorte Salamuni!

Voto aberto favorece eleição de Salamuni para presidência da Câmara

20121028172951

O art. 35 da Lei Orgânica do Município de Curitiba é claro:

Art. 35. No dia imediato à sessão de instalação, os Vereadores reunir-se-ão sob a presidência do mais votado entre os presentes e, havendo maioria absoluta dos membros da Câmara, elegerão os componentes da Mesa por voto público e maioria absoluta de votos, considerando-se automaticamente empossados os eleitos. (Redação dada pela Emenda à Lei Orgânica nº 08, 17 de outubro de 2001)

Ou seja, o presidente e os demais membros da mesa da Câmara Municipal de Curitiba serão escolhidos por voto público entre os vereadores. Isso beneficia a candidatura de Paulo Salamuni (PV), o candidato do prefeito eleito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), e de todos os partidos da sua base de apoio, o PDT, o PT e o PV.

O adversário ainda não está definido, mas não há qualquer chance que seja um vereador recentemente eleito. O presidente da Câmara deve ter o mínimo de experiência no Legislativo.

A população curitibana também não aceitará que que o próximo presidente seja um vereador que tenha sido da base de apoio do prefeito derrotado Luciano Ducci (PSB). Considerado por muitos como o pior prefeito de Curitiba de todos os tempos, junto com Cássio Taniguchi (DEMO). Além disso os vereadores da base de apoio a Ducci foram coniventes com a gestão do ex-presidente João Cláudio Derosso (ex-PSDB).

O voto aberto, ao contrário do secreto, beneficia Salamuni, que tem tudo para ser o próximo presidente da Câmara, a ser escolhido em 02 de janeiro de 2013, e ajudar a gestão de Fruet. Mas claro, sempre fiscalizando o Poder Executivo, quando necessário, para a perfeita harmonia entre os poderes.

Curitibanos não aceitarão que vereadores que apoiaram Ducci/Derosso sejam presidentes da Câmara

O ex-vereador João Cláudio Derosso (ex-PSDB), ex-presidente da Câmara Municipal de Curitiba, durante o período do escândalo do suposto “esquema” na casa de leis foi apoiado por vários vereadores da base de apoio do prefeito Luciano Ducci (PSB).

O prefeito Luciano Ducci (PSB), derrotado na sua tentativa fracassada de se reeleger (ficou apenas em terceiro), foi apoiado pela maioria dos vereadores de Curitiba.

Esse grupo de vereadores foi derrotado. Não é aceitável que eles sejam eleitos para o cargo de presidente da Câmara, eleição que ocorrerá entre os próprios vereadores. Os curitibanos não aceitarão que seus vereadores eleitos votem para a presidência da Câmara Municipal de Curitiba, em um vereador candidato que se envolveu com Derosso ou apoiou Luciano Ducci no primeiro turno.

Vejam a lista de vereadores reeleitos que apoiaram Luciano Ducci:

Pastor Valdemir (PRB). Possível candidato. Não queria o impeachment de João Cláudio Derosso (PSDB), era contra seu afastamento definitivo em agosto de 2011. Votou em João do Suco para presidente da Câmara de Vereadores, o candidato do Derosso. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Votou “sim” pela lei que permite a transferência da permissão de táxi para familiares e terceiros em caso de morte do taxista, o que é totalmente inconstitucional e imoral. Tirou 1,7 (de zero a 10) em nível de transparência segundo a Gazeta do Povo. É o terceiro vereador que mais faltou sem justificativas na Câmara de Curitiba (15 sem justificativa e 59 com justificativa).

Professor Galdino (PSDB). Possível candidato. Demorou muito para pedir o afastamento definitivo de João Cláudio Derosso. Envolvido em vários escândalos com seus ex-funcionários. Votou em João do Suco para presidente da Câmara de Vereadores, o candidato do Derosso. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Votou “sim” pela lei que permite a transferência da permissão de táxi para familiares e terceiros em caso de morte do taxista, o que é totalmente inconstitucional e imoral. Tirou 2,7 (de zero a 10) em nível de transparência segundo a Gazeta do Povo. É o quarto vereador que mais faltou sem justificativas na Câmara de Curitiba (13 sem justificativa e 48 com justificativa).

Sabino Picolo (DEMO). Possível candidato. Não pediu o afastamento definitivo de João Cláudio Derosso. Como presidente interino da Câmara, arquivou pedido de afastamento do Derosso. Apresentou 19 propostas voltadas ao Hospital Santa Madalena Sofia, administrado pela esposa e parentes dela. Votou em João do Suco para presidente da Câmara de Vereadores, o candidato do Derosso. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Votou “sim” pela lei que permite a transferência da permissão de táxi para familiares e terceiros em caso de morte do taxista, o que é totalmente inconstitucional e imoral. Tirou 0,3 (de zero a 10) em nível de transparência segundo a Gazeta do Povo.

Luiz Felipe Braga Cortes (PSDB).  Possível candidato. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Votou em João do Suco para presidente da Câmara de Vereadores, o candidato do Derosso. Votou “sim” pela lei que permite a transferência da permissão de táxi para familiares e terceiros em caso de morte do taxista, o que é totalmente inconstitucional e imoral. Tirou 3,2 (de zero a 10) em nível de transparência segundo a Gazeta do Povo. É o quinto vereador que mais faltou sem justificativas na Câmara de Curitiba (12 sem justificativa e 85 com justificativa).

Serginho do Posto (PSDB). Segundo a Gazeta do Povo é um dos vereadores que têm ligação com beneficiários de verba publicitária. Documentos mostram que vereadores têm servidores ou parentes que receberam dinheiro da comunicação da Câmara, o que fere a Constituição e a Lei 8.666/93. Votou em João do Suco para presidente da Câmara de Vereadores, o candidato do Derosso. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Votou “sim” pela lei que permite a transferência da permissão de táxi para familiares e terceiros em caso de morte do taxista, o que é totalmente inconstitucional e imoral. Tirou 1,8 (de zero a 10) em nível de transparência segundo a Gazeta do Povo.

Beto Moraes (PSDB). Demorou muito para pedir o afastamento definitivo de João Cláudio Derosso. Votou em João do Suco para presidente da Câmara de Vereadores, o candidato do Derosso. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Votou “sim” pela lei que permite a transferência da permissão de táxi para familiares e terceiros em caso de morte do taxista, o que é totalmente inconstitucional e imoral. Tirou 0,6 (de zero a 10) em nível de transparência segundo a Gazeta do Povo.

Zé Maria (PPS). Foi membro da “CPI do Derosso” que votou pela total absolvição do presidente João Cláudio Derosso (PSDB), acusado pelo Ministério de Público de várias irregularidades. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Votou “sim” pela lei que permite a transferência da permissão de táxi para familiares e terceiros em caso de morte do taxista, o que é totalmente inconstitucional e imoral. Tirou 3,7 (de zero a 10) em nível de transparência segundo a Gazeta do Povo.

Julieta Reis (DEMO). Votou em João do Suco para presidente da Câmara de Vereadores, o candidato do Derosso. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Votou “sim” pela lei que permite a transferência da permissão de táxi para familiares e terceiros em caso de morte do taxista, o que é totalmente inconstitucional e imoral. Segundo a Gazeta do Povo é um dos vereadores que têm ligação com beneficiários de verba publicitária. Documentos mostram que vereadores têm servidores ou parentes que receberam dinheiro da comunicação da Câmara, o que fere a Constituição e a Lei 8.666/93. Tirou 1,9 (de zero a 10) em nível de transparência segundo a Gazeta do Povo.

Aldemir Manfron (PP). Segundo a Gazeta do Povo seus funcionários do gabinete distribuem irregularmente material de campanha eleitoral. Não pediu o afastamento definitivo de João Cláudio Derosso. Foi contra a Comissão Processante contra Derosso em fevereiro de 2012. Votou em João do Suco para presidente da Câmara de Vereadores, o candidato do Derosso. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Tirou 1,9 (de zero a 10) em nível de transparência segundo a Gazeta do Povo.

Jairo Marcelino (PSD). Segundo a Gazeta do Povo seus funcionários do gabinete distribuem irregularmente material de campanha eleitoral. Votou em João do Suco para presidente da Câmara de Vereadores, o candidato do Derosso. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Votou “sim” pela lei que permite a transferência da permissão de táxi para familiares e terceiros em caso de morte do taxista, o que é totalmente inconstitucional e imoral. Tirou 1,4 (de zero a 10) em nível de transparência segundo a Gazeta do Povo. É o segundo vereador que mais faltou sem justificativas na Câmara de Curitiba (17 sem justificativa e 61 com justificativa).

Dirceu Moreira (PSL). Relator do Conselho de Ética da Câmara Municipal de Curitiba, apresentou relatório solicitando o arquivamento da representação contra o presidente da Câmara, João Cláudio Derosso (PSDB), referente ao contrato milionário que celebrou com a empresa de sua esposa. Não pediu o afastamento definitivo de João Cláudio Derosso. Foi contra a Comissão Processante contra Derosso em fevereiro de 2012. Votou em João do Suco para presidente da Câmara de Vereadores, o candidato do Derosso. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Votou “sim” pela lei que permite a transferência da permissão de táxi para familiares e terceiros em caso de morte do taxista, o que é totalmente inconstitucional e imoral. Tirou 4,8 (de zero a 10) em nível de transparência segundo a Gazeta do Povo.

Dona Lourdes (PSB). Votou em João do Suco para presidente da Câmara de Vereadores, o candidato do Derosso. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Votou “sim” pela lei que permite a transferência da permissão de táxi para familiares e terceiros em caso de morte do taxista, o que é totalmente inconstitucional e imoral. Tirou 0,0 em nível de transparência segundo a Gazeta do Povo.

Tico Kusma (PSB). Votou em João do Suco para presidente da Câmara de Vereadores, o candidato do Derosso. Não fiscaliza a gestão do prefeito Luciano Ducci (PSB). Votou “sim” pela lei que permite a transferência da permissão de táxi para familiares e terceiros em caso de morte do taxista, o que é totalmente inconstitucional e imoral.

O eleitor de Curitiba vai cobrar desses vereadores que não votem em vereadores/candidatos que eram do grupo Derosso/Ducci.

O vereador que é um dos mais experientes na Câmara Municipal, que apoiou desde o primeiro momento a candidatura de Gustavo Fruet (PDT) para prefeito, não esteve envolvido no escândalo do Derosso e é procurador do Município de Curitiba licenciado é Paulo Salamuni, do PV. Ele é o candidato do prefeito eleito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT) e o candidato dos vereadores que eram da oposição ao prefeito Ducci.

Salamuni já tem o voto dos seguintes vereadores:

Professora Josete (PT)

Jonny Stica (PT)

Pedro Paulo (PT)

Cristiano Santos (PV)

Aladim (PV)

Tito Zeglin (PDT)

Jorge Bernardi (PDT)

Noêmia Rocha (PMDB)

Cobre dos seguintes vereadores, que não serão candidatos ao cargo de presidente da Câmara, que não votem nos vereadores reeleitos que apoiaram Derosso e Ducci:

Chico do Uberaba (PMN)

Mestre Pop (PSC)

Mauro Ignácio (PSB)

Colpani (PSB)

Hélio Wirbiski (PPS)

Paulo Rink (PPS)

Cacá Pereira (PSDC)

Chicarelli (PSDC)

Tiago Gevert (PSC)

Bruno Pessuti (PSC)

Carla Cristiana Pimentel (PSC)

Rogério Campos (PSC)

Pier (PTB)

Geovane Fernandes (PTB)

Ailton Araújo (PSC)

Toninho da Farmácia (PP)

Paulo Salamuni pode ser presidente da Câmara Municipal

Paulo Salamuni (PV), Tarso Cabral Violin e Otávio Augusto Fuça. Foto da Andressa

Paulo Salamuni (PV), procurador do município de Curitiba e um dos vereadores mais experientes da Câmara Municipal de Curitiba, que nunca se envolveu em escândalos na Câmara, e ainda é amigo do prefeito eleito Gustavo Fruet (PDT) desde quando eles eram do PMDB, pode ser o próximo presidente da Câmara. Belo nome!