Tá legal, aceito o argumento – Xixo

xixotarso

Xixo e Tarso Cabral Violin  em 26 de outubro de 2014, quando acreditávamos na Democracia representativa

Tá legal, aceito o argumento.

Nenhum movimento, nenhuma transformação, se faz contra a maioria do povo. Talvez o maior equívoco da esquerda nos anos 70 tenha sido o vanguardismo. Jovens bem intencionados acreditaram que, vanguarda, indicariam o caminho e o povo os seguiria. Deu no que deu. E o isolamento político foi a menor das consequências.

A população brasileira foi hegemonizada pela Direita reacionária, cristã e careta. A maioria da população, mesmo composta de setores que foram beneficiados pelas políticas públicas (estatais, petistas, redistributivistas), decidiu votar na direita estadofóbica, demofóbica, homofóbica, neoliberal e meritocrata.

Se hoje forem levados à decisão popular, em democracia direta, por plebiscito, acho que ninguém teria dúvida como o povo que votou ontem decidiria sobre temas como   Pena de Morte, Maioridade Penal, união civil de pessoas do mesmo sexo, proteção a setores vulneráveis, entre outros. Consultando quem elegeu aquele imbecil em São Paulo, o Crivela no Rio, o Greca em Curitiba ou o ACM em Salvador como votariam quanto às cotas ou às tímidas políticas ambientais dos últimos doze anos? Depois do massacre midiático se alguém propusesse fechar o congresso “para não haver mais políticos” como acham que votariam o “povo de deus”, as “pessoas de bem” e a mediocrizada classe média noveleira ?

A Direita concursada, mesmo sabendo que com os neoliberais no governo teriam arrocho nos vencimentos e teriam que trabalhar muitos anos a mais para se aposentar, não teve dúvidas em apoiar  o Golpe. E apoiaria novamente, votou no Dória e levou para o segundo turno apenas candidatos que jamais representariam seu interesses concretos. Os pequenos comerciantes, prestadores de serviços sabiam que ao apoiar o Golpe haverá concentração de renda nas elites, reduzindo suas clientelas e, consequentemente, suas rendas. Mas não apenas apoiaram o golpe como votaram em golpistas nas eleições municipais.

O melhor argumento é o resultado das urnas no segundo turno. Pela segunda vez, durante o mesmo mês de outubro, a população fez uma escolha por valores antagônicos àqueles de esquerda.

A Direita jamais aceitou quando o Nordeste escolheu Lula e o PT. A nova direita, mesmo aquela anti-evangélica que votou no Freixo, repete o preconceito dizendo “não aceitar” o resultado eleitoral, repetindo (como que contaminados por uma espécie de aecismo) um possante “não me representa” ou, bolsonaricamente, destilando ódio, no caso, aos “pobres ignorantes” e aos “crentes porque são pobres e manipulados”. É a mesma base social que já votou na Marina e que, nos últimos meses, se orgulhou de ser “oposicionista” repetindo bordões moralistas. Pensam que são de esquerda, mas logo se bandearão.

Não gostamos do resultado, mas é certo que a maioria da população escolheu a Direita, tornou-se anti-esquerda. O PSOL, apesar de todo seu esforço para destruir o PT pretendendo disputar seus escombros, continua sendo eleitoralmente irrelevante.

Não há o que possamos fazer agora para mudar a percepção que a população tem a respeito da esquerda, do PT, ou de seus aliados. O povo decidiu experimentar governos de Direita. A população, sem saber, se tornou fascista, apoia valores conservadores, caretas, profundamente cristãos, anti-comunistas e discriminatórios. Nada que digamos agora mudará esse quadro.

Há que esperar até que a maioria do povo, sofrendo os efeitos das políticas neoliberais, experimentando as consequências da ausência de políticas públicas para coletivos vulneráveis, realizando a destruição meio-ambiental inerente ao capitalismo sem limites, sentindo na pele o que significa a terceirização, o congelamento dos gastos sociais (PEC 241), e os malefícios do “governo dos juízes”, sinta saudades do que teve de 2003 a 2016.

Por enquanto não há o que fazer.

Quem puder deve aproveitar esse período (até que a maioria se dê conta de seu papel de trouxa) para tentar ser feliz, conviver mais em família, desfrutar momentos com amigos, praticar esportes, ler bons livros, essas coisas prosaicas que, militantes de esquerda, sempre postergamos.

Sabíamos que “não há bem que sempre dure”. A era das trevas acaba de começar, mas virá cedo ou tarde um renascimento e um iluminismo. Saibamos que “não há mal que nunca se acabe”.

Seguindo o conselho do poeta Paulinho da Viola, aceitando o argumento, devemos fazer “como o velho marinheiro que durante o nevoeiro leva o barco devagar”.

Tenho uns 50 livros na fila, há uma centena de filmes que ainda não tive tempo de ver, devo atenção aos meus amigos e à minha família, não terei tédio enquanto espero que as tais “condições objetivas” estejam mais propícias e que, enfim, dissipado o nevoeiro, as pessoas voltem a escutar o que a esquerda tem a dizer.

Wilson Ramos Filho (Xixo) – advogado, professor de Direito do Trabalho da UFPR, doutor em Direito