Sílvio Rocha é entrevistado sobre a legislação do abuso de autoridade

O Juiz Federal Sílvio Luís Ferreira da Rocha, professor de Direito da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e um dos maiores juristas do Brasil, foi entrevistado pelo advogado Luiz Carlos da Rocha no programa Jogo do Poder Paraná, que foi ao ar no último domingo (19/02) na CNT.

O magistrado ainda critica as absurdas, autoritárias e inconstitucionais 10 medidas contra a corrupção.

Infelizmente há autoridades autoritárias do Poder Judiciário, Ministério Público e Polícia Federal que não querem ser responsabilizadas quando abusarem de seus poderes, desresponsabilização que apenas existiria em ditaduras não republicanas.

Quem tem medo da lei do abuso de autoridade?

silviorocha

Pós-Doutor diz que o maior problema no país não é a corrupção, mas sim a desigualdade

jesse souza

Jessé Souza, professor doutor em ciência política na UFF, doutor em sociologia pela Universidade de Heidelberg, formado em Direito pela Universidade de Brasília, pós-doutorado em sociologia em New York, foi entrevistado no programa Jogo do Poder Paraná (CNT) no dia 24.08.2014, pelo advogado Luiz Carlos da Rocha.

No seu livro “A ralé brasileira: quem é e como vive” (2009), Jessé diz que entre 1930 e 1980 o Brasil foi um dos países que mais cresceu mas ao mesmo tempo produziu uma das maiores massas de excluídos da face da terra, e que o maior problema do Brasil não é a corrupção, mas sim o capitalismo brasileiro que produz excluídos.

O autor critica Sérgio Buarque de Hollanda, Roberto da Matta, Raymundo Faoro, Fernando Henrique Cardoso, chamando-os de culturalistas conservadores, porque analisam a sociedade brasileira do século XIX como uma sociedade pré-moderna como Portugal, mas na verdade já era moderna, com influências de burgueses europeus. Para os autores o patrimonialismo, a corrupção, estaria somento no Estado, e não em toda a sociedade. Que a corrupção seria apenas do Estado e o mercado seria virtuoso, e hoje em dia todos os brasileiros acreditam nisso, nessa “lorota” quando na verdade a corrupção no Estado é um dado endêmico de todos os capitalismos do mundo. A quem interessa que o Estado seja questionado, como ineficinte, principalmente em educação, saúde e previdência, seria apenas para os banqueiros e donos de grandes complexos industriais, que têm o intuito de transformar tudo e mercadoria e ter mais lucro.

Quando a social democracia fixou que aposentadoria, educação e saúde é para todos, para os filhos de ricos e pobres, foi uma das grandes conquistas sociais nos últimos 200 anos, pelo Estado. Quando se diz que apenas o mercado é virtuoso e o Estado é ineficiente, está se querendo dizer que esse campo pode ser mercantilizado e transformado em apropriação privada, para poucos.

Souza diz que o capitalismo brasileiro foi feito para uma meia dúzia, e a classe média faz a cabeça das pessoas e é uma tropa de choque dessa meia dúzia que têm a riqueza nas mãos. A classe média vai às ruas contra espantalhos e não percebe a situação de desigualdade. A classe C rearruma o jogo político. A classe média se acha a campeã da moralidade, é feita de tola pelos endinheirados e vê o Estado como o mal, enquanto essa mesma classe média explora a ralé, que paga baixos salários para essa ralé. A classe média rouba o tempo dos excluídos, que são quase escravos, e se faz uma dramatização sobre a corrupção, o que empobrece o debate público, sendo que há coisas mais importantes para discutir.

A classe média ainda forma a opinião pública mas ela não decide mais as eleições no país. Os excluídos não estão mais ao lado dos partidos conservadores, em decorrência da pequena ajuda que o Estado dá à massa, que dinamiza o mercado. Enquanto isso a classe média tem ódio dos excluídos.

O autor ainda escreveu “Os batalhadores brasileiros: Nova classe média ou nova classe trabalhadora?” (2010), entre outras obras.

Veja o vídeo com a entrevista: