Advogado blogueiro anti-PT recebe R$ 70 mil por mês do governo Alckmin (PSDB)

teotonio-beto-richa-geraldo-alckmin-e-aecio

Tucanos adoram pagar com dinheiro público os meios de comunicação, para a defesa de seus interesses

Os governos do PSDB costumam despejar milhões de dinheiro público na velha mídia, como a Rede Globo e a Revista Veja, para que esses meios de comunicação defendam os tucanos e ataquem seus adversários, principalmente o PT, Dilma e Lula.

O governador Beto Richa (PSDB) faz isso aqui no Paraná, com a Gazeta do Povo e a RPC/Globo.

O governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) também faz isso com a Revista Veja e demais meios de comunicação.

Pois agora se descobriu que Alckmin se utiliza de muito dinheiro público também para comprar blogueiros anti-PT.

Um advogado e blogueiro Fernando Gouveia, que ataca o Partido dos Trabalhadores na rede mundial, recebe há dois anos R$ 70 mil por mês por serviços de comunicação prestados ao governo paulista.

O privilegiado é dono da Appendix Consultoria, criada em janeiro de 2013 e que começou em junho a receber pagamentos da Subsecretaria de Comunicação, subcontratada pela agência de publicidade Propeg, que cuida da propaganda do governo estadual.

Fernando Gouveia ataca os adversários de quem paga mais. Já trabalhou durante três anos no setor de comunicação da Prefeitura de São Paulo, na gestão de Marta Suplicy (PT), trabalhou no gabinete da ex-vereadora Soninha Francine (PPS, ex-PT).

Informo que o Blog do Tarso não é pessoa jurídica e nunca recebeu dinheiro de ninguém para fazer críticas ou apoios. Aqui defendemos princípios da justiça social e redução das desigualdades, contra o neoliberalismo, e apoiamos políticas públicas que se coadunem com o Estado Social e criticamos os entreguistas neoliberais.

Uma das defesas do Blog do Tarso é que o dinheiro de publicidade oficial seja democraticamente distribuído entre os vários meios de comunicação, inclusive com fomento para as rádios e TVs comunitárias, blogs, jornais de estudantes, sindicatos, etc. Mas de forma democrática, e não para ataques e defesas políticas.