Tanabi

IGREJA TANABI 4

Eu poderia dizer que Tanabi é uma cidade do interior de São Paulo, perto de São José do Rio Preto, com pouco mais de vinte mil habitantes, hoje administrada por uma prefeita do Partido dos Trabalhadores.

Poderia informar que o Tanabi Esporte Clube é um time de futebol que quase já foi para a primeira divisão do Campeonato Paulista, no qual jogaram o campeão mundial pelo Corinthians e Seleção Brasileira Edilson “Capetinha”, em início de carreira, e os veteranos artilheiros Túlio Maravilha e Viola, recentemente.

Poderia dizer que Tanabi, por coincidência, é a cidade do atual presidente do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná, Desembargador Altino Pedrozo dos Santos, ou do advogado João Gonçalves de Oliveira Neto, que trabalhou comigo na Secretaria de Estado do Trabalho, Emprego e Promoção Social do Paraná – SETP, e já tinha ouvido falar da história do Toninho que machucou um olho brincando com um espeto de madeira.

Para mim Tanabi será sempre sinônimo de alegria.

Cidade da infância do meu pai Antonio Geraldo Violin (falecido em 1985), cidade das minhas férias da infância e adolescência, cidade da minha vovó Amélia Menegasso Violin, das minhas tias Didi e Felinda e suas comidas maravilhosas (torta paulista, bolacha de pinga, queijo de minas, doce de banana, doce de leite, esfihas, salada-de-fruta), das minhas outras tias Mercedes, Quinha e Neide, tios e primos, das brincadeiras, da Cotuba e refrigerantes Arco Iris, dos passeios de bicicleta até Monte Aprazível, passeios de moto Norton e com o Corcel e brincadeiras com o autorama do primo Paulo, do sítio do primo Carlos, dos passeios com a mobilete da prima Claudia (que sempre nos recebeu de braços abertos), das brincadeiras com a prima Marina e acolhida dos primos Luiz, Maristéla e Marcia, da fábrica e loja Bechara do Tio Nazir, das festas com todos da família Violin, da piscina do clube Tangará, dos jogos de futebol e basket no TCC (Tanabi Cestobol Clube), da pipoca especial da praça (que tempero é aquele?), da igreja com a porta doada pela família Violin, de onde eu estava no primeiro título brasileiro do Corinthians em 1990 (a cidade parou), das histórias sobre o vovô Jacob e do bisavô italiano Hermenegildo Violin, das bancas de revista e sorveterias, de todos os amigos e parentes que nos abraçavam e recebiam.

Obrigado Tanabi! Espero te rever logo!

Um comentário sobre “Tanabi

  1. Pingback: Ao meu pai | Blog do Tarso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s