A agressão a Letícia Sabatella atinge a democracia pelas costas

leticiasabatella2

A agressão a Letícia Sabatella atinge a democracia pelas costas

Por Leonardo Isaac Yarochewsky, especial para o Blog do Tarso

Ainda que eu falasse
A língua dos homens
E falasse a língua dos anjos
Sem amor eu nada seria

Na noite deste domingo, 31 de julho, a atriz curitibana Letícia Sabatella foi ofendida e agredida em Curitiba. Não, não é um capítulo de novela, também não é um filme ou uma peça de teatro. É a realidade nua e crua. É o autoritarismo e o fascismo assaltando a democracia. O ataque à Letícia é uma afronta a todos nós, nós que defendemos a democracia, a legalidade, os direitos fundamentais, as garantias constitucionais e o Estado democrático de direito.

Com bem observou Nasser Allan, advogado da atriz, Letícia foi vítima da intolerância e do ódio. A atriz Letícia Sabatella, que se manifestou publicamente contra o impeachment da Presidenta da República Dilma Rousseff, foi ofendida com palavras de baixo calão, além de ser constrangida quando passava próximo aos manifestantes em favor do impedimento de Dilma e em apoio a Operação Lava Jato, conduzida pelo juiz Federal de Curitiba Sérgio Moro.

Lamentavelmente, não tem sido raro pessoas serem agredidas e ofendidas em nome do ódio e da intolerância que alimentam o fascismo. Políticos, artistas e todos que estão comprometidos com a defesa da legalidade democrática e contrários ao golpe parlamentar, independente de partidos políticos, estão sujeitos aos ataques daqueles que não sabem conviver com as diferenças e a democracia.

Como bem disse Rubens Casara[1] – na apresentação do livro da filósofa Márcia Tiburi – “o fascismo possui inegavelmente uma ideologia de negação. Nega-se tudo (as diferenças, as qualidades dos opositores, as conquistas históricas, a luta de classe etc.), principalmente, o conhecimento e, em consequência, o diálogo capaz de superar a ausência do saber. O fascismo é cinza e monótono, enquanto a democracia é multicolorida e em constante movimento. A ideologia fascista, porém, deve ser levada a sério, pois, além de nublar a percepção da realidade, produz efeitos concretos contrários ao projeto constitucional de vida digna para todos”.

A sociedade precisa entender que o ataque do último domingo à cidadã Letícia Sabatella atinge a neófita democracia brasileira. Democracia que tem como objetivo a libertação dos indivíduos das coações do autoritarismo. Democracia material que busca excluir, eliminando definitivamente, as desigualdades econômicas e sociais. A democracia social – material e não apenas formal – que visa estabelecer entre os indivíduos uma igualdade de fato que sua liberdade teórica é importante para assegurar. “Democracia pluralista, porque respeita a pluralidade de ideias, culturas e etnias e pressupõe assim o diálogo entre opiniões e pensamentos divergentes e possibilidade de convivência de formas de organização e interesses diferentes da sociedade”.[2]

Não é de hoje que a sociedade brasileira está polarizada e dividida. Como bem observa Wilson Ramos Filho, “houve uma bruta, enorme, estupenda politização da sociedade brasileira que passou a discutir política o tempo todo, nos salões de beleza e nas barbearias, nos bares de esquina e nos restaurantes mais sofisticados, nas salas de aula nas escolas públicas e privadas, nas faculdades e em milhares de grupos de Telegram, de WhatsApp, no Facebook, nas listas de e-mail”.[3]

Contudo, o problema não é discutir, quando a discussão é respeitosa, desprovida de ofensas e agressões não há problema. Quando o respeito ao direito do outro e as diferenças não são ameaças, o diálogo é saudável. O problema está no autoritarismo, no ódio, no radicalismo. Como oberva Márcia Tiburi, “o autoritarismo da vida cotidiana é o conjunto de gestos tão fáceis de realizar quanto difíceis de entender. E ainda mais difíceis de conter. Em nossa época, crescem manifestações de preconceito racial, étnico, religioso e sexual, que pensávamos superadas. À direita e à esquerda, a partir de todos os credos, de todas as defesas que deveriam ser as mais justas e generosas”. [4]

Letícia Sabatella, seu nome é democracia. Caberá a todos que amam a democracia e que respeitam o Estado democrático de direito defendê-la, defendê-la como o poeta Vinícius de Moraes manda defender o grande amor – plagiando o poetinha – defendê-la se sagrando cavalheiro e sendo de sua dama (democracia) por inteiro — seja lá como for. Fazendo do corpo uma morada onde clausure-se a mulher amada e postando-se de fora com uma espada — para viver um grande amor e, para sempre, defender a democracia.

Belo Horizonte, 01 de agosto de 2016.

Leonardo Isaac Yarochewsky

Advogado Criminalista e Professor de Direito Penal da PUC-Minas

[1] TIBURI, Márcia. Como conversar com um fascista. Rio de Janeiro: Record, 2015.

[2] SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 22ª ed. São Paulo: Malheiros, 2002.

[3] RAMOS FILHO, Wilson. Alguma coisa está fora da ordem. A política nasceu. In A Resistência ao Golpe de 2016. Carol Proner, Gisele Cittadino, Márcio Tenenbaum e Wilson Ramos Filho (orgs). Bauro: Canal 6, 2016 (Projeto Editorial Praxis).

[4] TIBURI, Márcia. Como conversar com um fascista. Rio de Janeiro: Record, 2015.

Anúncios

4 comentários sobre “A agressão a Letícia Sabatella atinge a democracia pelas costas

  1. Não justifica, mas o que ela foi fazer lá ? ao mesmo tempo, é visível como o blogueiro nada fala sobre agressões de torcedores do seu time, corintians, da Gavião, aos palmeirenses ou quaisquer um que não concordem com eles. Eu queria ver o Aécio indo passear numa manifestação Petista para ver se seria tratado com carinho e debate de idéias. E quem começou isso ? faz 13 anos lembra ? do alto da arrogância: o nós, e eles. Ou esqueceu que você chama quem não pensa igual a você de coxinha, elite branca e tal ? vai dormir Tarso, vai.

    Curtir

  2. Tarso como você é ingênuo. Trata-se de uma atriz, quanto mais aparece, melhor. Foi lá de propósito, sabia que seria hostilizada (deveriam é te-la ignorado), agora está aparecendo em todo lugar, seu blog e outros inclusive fazendo palco pra ela. Quando Janaína Paschoal foi hostilizada no aeroporto e na USP não lembro de você pedindo democracia.

    Curtir

  3. Tarso, sua indignação é seletiva, só de um lado, o que você pensa ser o certo. Você, admita, não tolera o outro, que pensa diferente de você. O outro é o coxinha, a elite, o inimigo do pobre, a direita. Sabatela é o outro lado de Janaína. Lula e FHC são separados no nascimento mas unidos na mesma social democracia falida. Você, Tarso, é igual a dezenas de “tarsos da direita”,
    você, Reinaldo Azevedo, qual a diferença ? Todos vocês, juntos, responsáveis pelo país do jeito que está hoje. Unam-se, PTS PSDBS PMDBS, VEJAS GLOBOS CARTAS E CAROS AMIGOS unam-se todos, e comemorem o atual estado de coisas. Vocês todos se merecem. # de saco cheio de política.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s