TV Globo confessa que médicos cubanos do Mais Médicos salvaram brasileiros

Captura de Tela 2014-07-29 às 17.45.48

Clique na imagem

Aos poucos a Rede Globo de Televisão vem reconhecendo o sucesso do programa Mais Médicos da presidenta Dilma Rousseff (PT). O governo federal propôs o programa após as manifestações de julho de 2013, em sinal de que está antenado com o que as ruas reclamam.

O problema é que a Globo mostra as maravilhas dos médicos cubanos do Mais Médicos no Globo Rural, com bem menos audiência, e não no Fantástico ou no Jornal Nacional.

A reportagem (clique aqui) mostra que a Organização Mundial da Saúde (OMS) informa que eram 1,8 médicos para cada mil habitantes em 2012 no Brasil.

O brasileiro é um povo que sofre doenças variadas, o que é uma realidade da maioria dos lugarejos do país, com distribuição desigual de médicos, pois quanto mais pobre e distante a região, menor a chance de ter um médico.

A maioria dos médicos brasileiros, que em sua maioria fazem parte da elite financeira, não querem saber de atender o povo em cidades pequenas e periferias, e preferem ganhar rios de dinheiro nas capitais.

O Amapá é o segundo estado com menos médico por habitante, atrás apenas do Maranhão.

A cidade de Calçoene conta com hospital, posto de saúde, enfermeira e assistente social, mas até pouco tempo tinha apenas 3 médicos para pouco menos de 10 mil habitantes. Os habitantes reclamavam: “a saúde não vem onde nos estamos, nos temos que ir atrás dela”.

A reportagem mostra que essa situação começou a mudar com o programa Mais Médicos da presidenta Dilma Rousseff (PT) de 2013, escutando as manifestações nas ruas.

A cidade recebeu duas médicas cubanas, uma com mestrado em atenção básica de saúde e 17 anos de experiência, e antes de vir fez cursos de português e sobre o SUS. A outra com especialização.

Uma agricultora conta que nunca tinha tido esse tipo de acompanhamento, “eu estou achando muito bom, ela é muito atenciosa comigo”. Ouvi isso de uma enfermeira catarinense, que os médicos cubanos são bem mais atenciosos do que os médicos brasileiros.

Isso se deve ao tipo de ensino universitário. Em Cuba os médicos são formados com o intuito que atendam primeiro o interesse público, e depois seus interesses egoísticos. No Brasil é diferente. A maioria das universidades de medicina ensinam que a medicina serve para enriquecer os médicos, profissionais esses que saem da faculdade sem qualquer vontade de atender com qualidade os pobres.

As médicas cubanas fazem um tratamento preventivo, inclusive com dicas de higiene, encostam no paciente, conversam com o paciente, dão atenção e um atendimento humano ao cidadão.

O povo diz que entende tudo o que as cubanas falam.

As médicas fazem atenção básica, para só encaminhar para a capital Macapá os casos mais complicados.

Há doutores de outros 40 países, como da Espanha, Alemanha, Portugal, entre outros.

Como não há mercantilismo na saúde cubana, Cuba recebe R$ 10 mil do Brasil para cada médico e o país repassa uma bolsa de R$ 3 mil para seus médicos herois. Em Cuba é assim, medicina não é algo individualista, egoístico. Medicina não existe para enriquecer os médicos, mas para o atendimento dos cidadãos.

Os cidadãos de outros municípios reconhecem que o atendimento melhorou, e agora querem que as médicas cubanas morem na cidade.

Obrigado presidenta Dilma Rousseff! É para isso que serve Estado!

E que a velha mídia, e a nova, divulguem melhor esses grandes exemplos de cidadania.

Publicidade

Beto Richa não cumpre investimento mínimo na saúde em todos os anos de sua gestão

dsc_4859

O Paraná não cumpriu investimento mínimo na área de saúde durante os três primeiros anos da gestão do governador Beto Richa (PSDB), entre os anos de 2011, 2012 e 2013, fato comprovado por dados do Tribunal de Contas do Estado do Paraná.

Nos últimos dez anos o governo estadual só conseguiu cumprir com a obrigação de repassar o índice mínimo de 12% de sua receita à saúde em quatro ocasiões, 2006, 2008, 2009 e 2010, todos durante a gestão do ex-governador Roberto Requião (PMDB), que pegou a saúde sucateada do governador Jaime Lerner (ex-PFL, apoiado pelo então deputado Beto Richa).

“É injustificável o Paraná não investir 12% de sua receita na saúde. Somos a 5ª economia do País, mas apenas o 23º Estado em investimento nesta área. Por isso é que temos dificuldades em ter leito hospitalar para atender a população, dificuldade de ter vagas na UTI, fila para medico especialista e fila para fazer exames”, disse Gleisi Hoffmann, candidata ao governo pela Coligação Paraná Olhando pra Frente.(ouça aqui)

Ressalta-se que nos últimos três anos a situação só piorou. Sob o governo Richa, ocorreram os dois piores índices de investimento. Em 2011, o Estado destinou à saúde apenas 8,3% da receita e no ano seguinte 9,1%. Em 2013, o mínimo de 12% novamente não foi atingido.

A saúde será prioridade na gestão Gleisi Hoffmann. “O nosso compromisso numero um é fazer da saúde do Paraná exemplo de saúde para o Brasil”, afirmou.

Entre as propostas de maior destaque está a implantação do programa Mais Médicos Especialistas que será um aprimoramento do programa do governo federal Mais Médicos que também contou com a participação de Gleisi. (ouça aqui)

Atualmente, o programa Mais Médicos do governo federal da presidenta Dilma Rousseff (PT) tem feito a diferença nas cidades paranaenses. São 866 médicos espalhados em 308 municípios paranaenses, que já prestaram atendimento para 2,9 milhões de pessoas.

Além do Mais Médicos Especialistas será implantado o programa Exame na Hora Certa que vai acabar com as filas de espera por exames clínicos e de laboratório. “No nosso governo estaremos completamente focados em melhorar a qualidade de vida para todos os paranaenses”, disse Gleisi.

O Blog do Tarso defende investimentos na saúde, desde que não sejam feito por meio de privatizações via OS – organizações sociais.

Beto Richa condenado por usar Facebook do Estado para autopromoção

 46845_10152363232288800_5606081520828998919_n

O candidato à reeleição, governador Beto Richa (PSDB), foi condenado por utilizar o Facebook oficial do Governo do Estado para fazer promoção pessoal, por meio de publicidade institucional. Beto Richa, sua candidata à vice, Cida Borghethi, e a coligação Todos pelo Paraná também foram condenados a pagar multa de R$ 5.320,00 (cada).

A decisão da Justiça Eleitoral determina ainda a imediata suspensão das propagandas e fixa multa de R$ 10 mil/dia em caso de descumprimento.
Em menos de duas semanas é a terceira vez que o governador é enquadrado pela Justiça Eleitoral por uso da máquina pública em benefício próprio.

A nova decisão atende pedido da coligação Paraná Olhando Pra Frente, que tem Gleisi Hoffmann como candidata à governadora.

Sobre o uso indevido do Facebook oficial do governo estadual, a Justiça entendeu que o governador estava usando de uma ferramenta de mídia social, com 176 mil seguidores, para fazer marketing, ou seja, autopromoção. “O governador está reiteradamente desrespeitando a Lei Eleitoral e fazendo uso da máquina pública para autopromoção. A Justiça está atenta para conter esses abusos”, afirma o coordenador jurídico da coligação Paraná Olhando Pra Frente, Luiz Fernando Pereira.

Reincidente

Recentemente, o TRE multou Beto Richa em duas situações distintas por uso da máquina eleitoral. A primeira foi em 17 de julho quando a Justiça determinou que, no prazo máximo de 24 horas, fossem retiradas das páginas na internet da Copel e da Sanepar as matérias que exibissem fotos do candidato à reeleição, Beto Richa (PSDB).

Em 21 de julho, o governador e sua candidata a vice foram condenados ao pagamento de multa, no valor de 15 mil UFIRs por terem utilizado o Twitter oficial do governo do Paraná para autopromoção.

Decisão da Justiça pode ser vista aqui