Veja o documentário “Teatro Político, uma história de utopia”, de Ana Carolina Caldas

Veja o documentário “Teatro Político, uma história de utopia”, de Ana Carolina Caldas, roteirista, pesquisadora e produtora.

Do Teatro Político 60

Você conhece a história do CPC (Centro Popular de Cultura) da UNE em Curitiba? Pois abrimos as gavetas.  Sente-se e fique à vontade para acompanhar por aqui capitulo a capitulo da  história deste movimento político cultural costurado nos encontros e desencontros entre arte, educação e política, no período entre 1959 a 1964. Antes de vir a ser o CPC da UNE, os antecedentes desta história percorreram os debates do Teatro de Arena, a Revolução Cubana, a busca pelo nacional-popular e tantos outros temas. Assim como em todo o Brasil, a cidade de Curitiba também fez parte da efervescência dos debates e defesas pelo  teatro nacional-popular: bandeira empunhada desde o Teatro de Arena por Oduvaldo Viana Filho, o Vianinha. O pai de todos os CPC`s da Une.

O conteúdo que inspira o projeto  é fruto da dissertação de mestrado de Ana Carolina Caldas, defendida em História da Educação pela Universidade Federal do Paraná (2003). História ainda desconhecida que a partir de agora começa a ser desvendada para fazer justiça e homenagear personagens que vocês “lerão” por aqui e assistirão em agosto no documentário,  como: Ferreira Gullar, Arthur Poerner, Zé Renato, Gianfrancesco Guarnieri e os curitibanos Walmor Marcelino, Dadá (Euclides Coelho de Souza), René Dotti, Edésio Passos, Oraci Gemba, Adair Chevonicka, Alcidino Bittencourt e tantos outros estiveram lá e cá.

Link para download da dissertação de mestrado “Centro Popular de Cultura da UNE (1959-1964) – Encontros e desencontros entre arte, política e educação” de Ana Carolina Caldas.

RESUMO:

História veiculada e contada pela imprensa local, na decada de 60,  em especial pelos jornais O Dia, o Diário do Paraná, Estado do Paraná e seção paranaense do jornal Última Hora, é a memória de um movimento que contou com a participação de curitibanos como o jornalista Walmor Marcelino, o titeriteiro Euclides Coelho de Souza – o Dada do Teatro de Bonecos, e sua esposa Adair Chevonicka, a socióloga Zélia Passos, Oraci Gemba, Abauna Busmayer, além de jornalistas e cronistas críticos de artes dos jornais curitibanos da época, como Edésio Passos, Silvio Back, René Dotti, Mário Fernando Maranhão, entre outros.

A história se desenrola a partir de “três instantes”, ou seja, três denominações diferentes para um mesmo grupo:    Teatro do Povo, Sociedade de Arte Popular até chegar à constituição do Centro Popular de Cultura da UNE, propriamente dito. De 1959 a 1964, um grupo formado por artistas, estudantes e intelectuais curitibanos inseridos na cena do teatro nacional – popular da época, conseguiu assim como noticiado pelo jornal Diário do Paraná, em 1961, “inaugurar o teatro político em Curitiba.”

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s