O caso do Evangélico pode ser muito mais escabroso do que os jornais noticiam

noticia_224369_img1_evangelico

Por Cláudio Fajardo, do Blog do Fajardo

Não posso citar nomes, não posso citar fatos com precisão para não correr o risco de ser processado por gente poderosa. Posso, no entanto, falar por suposição, por hipótese, e assim fazer com que outras pessoas compartilhem comigo em pensamento coisas que não posso garantir serem verdadeiras, apesar das informações verdadeiras que tenho sobre o caso.

Imaginem uma família poderosa, amiga de outra família poderosa virem seus filhos envolvidos num acidente automobilístico criminoso onde os filhos de outras famílias não poderosas morreram. Imaginem provas cabais serem destruídas, imaginem perícias serem alteradas, imaginem as famílias poderosas influenciando a justiça e fazendo tantas outras coisas ilegais, imorais e sórdidas para proteger os filhos culpados pelo acidente.

Imaginem os filhos dos poderosos serem flagrados alcoolizados com provas testemunhais e laboratoriais. Imaginem a pressão para que a pessoa, médica, responsável pelo atestado do alcoolismo sofreu para mudar o resultado e, apesar de toda a pressão, não tenha mudado.

Imaginem, por último, depois de todo o escândalo do Evangélico, em pleno Tribunal do Júri, no julgamento dos filhinhos dos poderosos, o advogado de defesa dos réus brandir a prova do atestado de alcoolismo anexada ao processo:

“Excelência, doutor juiz, senhores promotores, senhoras e senhores: Dentre tantas provas tentando incriminar os réus, restou uma que pode levá-los à condenação por crime doloso: é a prova de que eles estavam embriagados no ato que culminou com a morte de dois outros jovens. Essa prova é um atestado de laboratório assinado por um médico. Esse atestado é que pode ser a peça fundamental do processo para julgá-los por crime doloso. Excelência, promotores, senhoras e senhores, toda a confiança, credibilidade, responsabilidade e ética é o que se exige de quem assina um atestado como esse. Agora, excelência, promotores, senhoras e senhores, sabem os senhores quem assina esse atestado, sabem quem teve a autoridade para assinar esse atestado? Qual é a pessoa, médica, autoridade eticamente responsável, de fé pública, de confiança e competência que assina esse atestado senhores? É inacreditável, mas a pessoa que assinou esse atestado é a doutora chefe da UTI do Hospital Evangélico, presa durante uma investigação sobre mortes induzidas no referido hospital. É a doutora Virgínia Soares de Souza.”

Não será isso estarrecedor? Pois é, isso é muito mais do que uma ironia. A desmoralização da doutora Virgínia não será um prato cheio para a defesa dos filhinhos dos poderosos?

O que acabam de ler não é uma teoria da conspiração, é apenas uma suposição.

Anúncios

18 comentários sobre “O caso do Evangélico pode ser muito mais escabroso do que os jornais noticiam

  1. A teoria da conspiração tem QUASE tudo a ver.

    Veja isso: “Radio Corredor e o caso Carli Filho” http://mariolobato.blogspot.com.br/2013/03/publicado-em-23022013-segundo-radio.html

    Por esta outra versão, a Dra VSS não assina laudo nenhum. ELA TEM (ou tinha) o laudo toxicológico que incriminaria o pequeno meliante dos Campos de Guarapuava. Não divulgou, guardou consigo e – ainda por cima – escondeu o Carli Junior na UTI até passar o flagrante.

    VSS é ligadíssima ao ex-presidente defenestrado da SEB o deputado André Zacharow, que deve ter faturado uns pontnhos preciosos de prestígio com a família Carli e com a família do outro carro envolvido no pega com a atuação da Dra VSS.

    Daí a VSS cai em desgraça. Aparece do nada na delegacia o Dr Elias Assad para defende-la. Diante da surpresa da Dra (que não tinha ligado prá ninguém) o Dr Assad diz para que quiser ouvir: “Vim até aqui a pedido do Dr Zacharow”.

    O pagamento pelos bons serviços do Dr Assad será um laudo toxicológico?

    Que Nossa Senhora da Salete nos ajude!

    Curtir

    • Prezado Mario
      Muito boa essa sua explanação!
      Naquele ano eu trabalhava na área de saúde pública, vi da boca de alguns socoristas do Samu que de fato o velocímetro tinha travado em uma velocidade alta, algo em torno e 190 Km, mesmo assim o delegado que cuidou do caso disse que não tinha visto nada. As imagens dos radares próximo simplesmente não “captaram nada” ou melhor sumiram, é muita coincidência de falhas técnicas, mas o mais interessante que pelo que você relatou, um determinado advogado que ao mesmo tempo cuida da família de um dos rapazes mortos naquele acidente de transito, agora representa a médica que ocultou um laudo que poderia incriminar de maneira cabal o assassino daqueles jovens!

      Curtir

    • Meu Deus! Qta ignorância! Se isso realmente tivesse acontecido, o que justificaria ela ter sido presa levando em conta o caso Carli?

      Curtir

  2. Ola
    E as emendas ao orçamento da união, que um deputado federal fez indicando o dito hospital e que bla…bla…estão sendo investigadas ha muuuito tempo e, ate agora…nada??

    Curtir

  3. o deputado federal andre zacharow pmdb do hospital evangélico nem aparece e a mídia não entrevista ele, com certeza ele também deve muitas explicações à sociedade..

    Curtir

  4. Uma meia dúzia de colegas anestesistas que trabalham ou trabalharam em Curitiba, convivendo diariamente com os acusados, unanimemente descartou a participação deles em qualquer esquema criminoso. Todos, sem exceção, teceram elogios ao caráter e à dedicação dos acusados no cuidado com seus pacientes. À Dra. Virgínia os únicos defeitos atribuídos foram seus exageros de comportamento, especialmente na relação com os funcionários, com quem sempre foi rigorosa na exigência de qualidade do serviço.
    Aliás, é curioso como o Fantástico deixou de fora as mais esclarecedoras perguntas e respostas da Dra. Virgínia na entrevista apresentada semana passada. Basta comparar o que foi publicado na versão nacional (http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2013/03/fui-colocada-como-um-demonio-diz-medica-acusada-matar-pacientes.html) e o que saiu no portal G1 do Paraná (http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2013/03/medicina-esta-no-banco-dos-reus-diz-acusada-de-mortes-em-uti.html).

    Curtir

  5. Pode ser que eu esteja errado mas do meu ponto de vista juridico tudo depende, pois a antiga redaçao do artigo de lei que pune esse crime previa um percentual minimo para configurar o delito, prova essa que se fazia SOMENTE atraves de exame do bafometro, de sangue, prova essa q só éera valida se autorizada pelo acusado, devido a um direito constitucional de que ngm é obrigado a produzir prova contra si mesmo. Enfim nao se discute ali quem é o autor, mas sim se agiu com dolo ou culpa e sem o atestado de embriaguez e laudo da vel do veiculo agiu com culpa. Ou seja de nada adiantaria o laudo da tal doutora. O buraco é la no legislativo!

    Curtir

    • Ninguém pensa também que quem cruzou a preferencial foi o outro carro, como eles morreram isso foi esquecido, não digo que quem bateu estava certo, mas o outro também tem sua parcela de culpa.

      Curtir

      • Cala boca Ana, não fale m*****.
        Aquela via possui semáforo no cruzamento, o sinal estava verde aos meninos enquanto o Deputado atravessa a 190km/h o vermelho.
        Ninguém pensa nisso que retratou porque ninguém é jumento como tu. Eles não tem nenhuma sequer margem para culpa Srta. AnTa

        Curtir

  6. Tarso, se for para dar ouvidos à teoria da conspiração, (muita gente) anda dizendo por aí que é outro membro da família poderosa (e não o filho) que gosta de velocidade….

    Curtir

  7. Se não me engano o Elias Mattar Assad é o advogado da família Yared E da médica Virgínia, para ele então teria um peso duplo ajudar essa teoria da conspiração se proliferar: faz parecer que existe uma “força maior” contra a médica e uma “força maior” a favor do Carli Filho. É o trabalho dele, o advogado tá lá pra defender de qualquer forma seus clientes… ele só está fazendo isso sem dar a cara a bater, acho…

    Curtir

  8. materiazinha xinfrim, parei de ler na primeira frase que diz, fontes que nao posso revelar, isso nao é jornalismo serio e de qualidade, ate eu queria ser pago para expecular.

    Curtir

  9. Este texto é um FAKE plantado pela advogado da médica. Só pegou na mídia rasa. Está circulando nas internet e tem vários se dizendo autores. Alguns site dizem que a autoria é da Yared, mão do garoto morto por Ribas Carli… Um jogo sujo de informação e contrainformação plantado pelo advogado para confundir a opinião pública

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s