Tag Archives: Fábio Campana

Jornalista e blogueiro Fábio Campana era servidor da Assembleia Legislativa e pediu exoneração

20 ago

Captura de Tela 2013-08-20 às 17.21.28

O respeitado jornalista e blogueiro Sylvio Sebastiani, via Facebook, divulgou o Ato de n° 1.196/2013 assinado pelo presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Valdir Rossoni, pelo deputado estadual e 1º Secretário, Plauto Miró, e pelo 2º Secretário, Ademir Bier.

O ato exonera, A PEDIDO, o jornalista e também blogueiro Luiz Fabio Campana a partir de 15 de maio de 2013. O ato foi assinado em 1° de julho de 2013 e publicado apenas dia 18 de julho.

Sebastiani ficou com duas dúvidas se o ato é verdadeiro: uma que a exoneração foi a pedido de Campana e a outra que foi com efeito retroativo. Confirmei a publicação no Diário Oficial da Assembleia.

Minhas dúvidas: o que fazia Campana na Assembleia Legislativa? Trabalhava todo o dia? Estava de licença? Já teve função comissionada? Fez concurso público?

Fábio Campana é famoso por sua defesa intransigente do governador Beto Richa e de todos os políticos de direita, e ataques gratuitos aos políticos do Partido dos Trabalhadores e ao senador e ex-governador Roberto Requião (PMDB).

About these ads

Revista Ideias de Fábio Campana é a Veja do Paraná. Agora com dinheiro público de Colombo

11 mai

A revista Ideias do blogueiro Fábio Campana sobrevive, praticamente, apenas com dinheiro público (clique aqui). O Blog do Tarso já fez denúncia de que o prefeito de Curitiba Luciano Ducci (PSB) pagou com dinheiro público propaganda de seu governo na revista (clique aqui) e, na mesma edição, foi realizada uma “reportagem” mostrando as qualidades da gestão de Ducci.

 Agora é a vez da prefeitura de Colombo fazer o mesmo. Despeja dinheiro público na revista Ideias nº 127, conforme imagem abaixo, e ganha de presente uma “reportagem” mostrando o quanto é boa a atual gestão. Isso é jornalismo sério? E com dinheiro público! E será que o povo de Colombo das classes C, D e E sabem que o dinheiro dos seus impostos vão para uma revista voltada para as classes A e B, conforme imagem abaixo?

Revista de Fábio Campana ganha dinheiro da Prefeitura de Curitiba e faz reportagem “jornalística”

6 abr

Propaganda da Prefeitura de Curitiba na Revista Ideias, paga com o nosso dinheiro.

Não vejo problema que meios de comunicação assumam posição ideológica. Acho melhor até quando eles jogam aberto. O problema é quando o meio de comunicação (jornal, blog, TV) se posiciona apenas por motivos financeiros. É o “quem dá mais” que infelizmente existe no jornalismo. Exemplo disso é a Revista Ideais e o Blog do Fábio Campana. Quem patrocinar o blog ou a revista, ele fala bem até a morte. Para os inimigos dos seus patrocinadores, o limbo ou o achaque.

Vejam abaixo uma matéria “jornalística” elogiando a gestão Luciano Ducci, na mesma edição que a própria prefeitura de Curitiba patrocina uma propaganda.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Capa da Revista Ideias, de propriedade do "jornalista" Fábio Campana

Fábio Campana plagia o Blog do Tarso sem citar a fonte. Incompetência ou má-fé?

2 abr

Dia 28 de março informei em primeira mão que o grande advogado trabalhista paranaense, Edésio Passos, será homenageado por seus 50 anos de advocacia. Eis que hoje o “jornalista” e blogueiro Fábio Campana divulgou o mesmo texto, igual, ipsis literis, mas infelizmente ele “esqueceu” de citar a fonte.

Que vergonha em Fábio Campana, cada vez com menos crédito na praça…

Até o conservador blogueiro Fábio Campana ataca a ação de Alckmin no Pinheirinho

25 jan

Do Blog do Fábio Campana

Pinheirinho e a massa falida

A desapropriação em Pinheirinho, com violência policial e outras barbáries, satisfaz os interesses de credores de massa falida liderados por Naji Nahas e contraria o Estatuto da Cidade no artigo que vai abaixo. É o que está exposto hoje na imprensa internacional.

Do Estatuto da Cidade:

Art. 10. As áreas urbanas com mais de duzentos e cinqüenta metros quadrados, ocupadas por população de baixa renda para sua moradia, por cinco anos, ininterruptamente e sem oposição, onde não for possível identificar os terrenos ocupados por cada possuidor, são susceptíveis de serem usucapidas coletivamente, desde que os possuidores não sejam proprietários de outro imóvel urbano ou rural.

Blogueiro do Paraná, Fábio Campana, diz que livro “A Privataria Tucana” é encomenda do PT para desqualificar adversários

20 dez

Fábio Campana. Foto: Dico Kremer

O blogueiro paranaense Fábio Campana, conhecido como ferrenho defensor dos governos Jaime Lerner (DEMO), Beto Richa (PSDB) e FHC (PSDB), ao ser denunciado pelo Deputado Federal Doutor Rosinha (PT), atacou o deputado e seu partido e disse que o PT “estende suas garras ao controle de meios de comunicação para fazer valer suas versões e que encomenda livros para desqualificar seus adversários”.

Ele foi denunciado por Dr. Rosinha de ser contratado pela Assembleia Legislativa do Paraná para “falar bem” do órgão. Atualmente ele claramente faz propaganda do governo Beto Richa (PSDB), prefeito de Curitiba Luciano Ducci (PSB) e secretário de estado e ex-deputado federal Ricardo Barros (PP).

Recomendo o principal blog da direita paranaense: http://www.fabiocampana.com.br

Em tempo: como a minha querida amiga blogueira Maria Frô achou estranho eu recomendar o Blog do Fábio Campana. Informo que recomendo para que todo o Brasil dê os votos de Feliz Natal para ele!

Em tempo 2: Fábio Campana ainda ataca a contratação pela EBC do renomado jornalista Luis Nassif. Será que o Fábio Campana pretende se comparar com o Luis Nassif?

Doutor Rosinha desmascara Fábio Campana

20 dez

Do site do Deputado Federal Dr. Rosinha

Dr. Rosinha denuncia gasto ilegal em publicidade da Assembleia Legislativa do Paraná

O deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR) denunciou nesta terça-feira (20) a ocorrência de gastos ilegais em publicidade pela Assembleia Legislativa do Paraná.

Dr. Rosinha teve acesso a uma minuta de contrato firmado em meados de 2009 entre a Assembleia e a empresa Editora Cabeza de Vaca Ltda, de propriedade do jornalista Luiz Fábio Campana.

Promovida na modalidade carta-convite, a licitação permitiu o contrato entre a empresa de Campana e a Assembleia por um valor total de R$ 75 mil, entre abril e dezembro de 2009. Objeto do contrato: “divulgar materiais de interesse desta Assembleia Legislativa”.

A contratação da empresa de Campana foi ilegal porque ele faz parte, ao menos formalmente, do quadro de servidores efetivos do Legislativo paranaense.

Em seu artigo 9º, a lei federal 8.666, de 1993, proíbe a participação em qualquer processo licitatório de servidores do órgão responsável pela sua realização. “A contratação da empresa de Campana é um ato de improbidade administrativa. Fere os princípios de legalidade, moralidade e impessoalidade”, avalia Dr. Rosinha. “Permite o favoritismo, o acesso a informações privilegiadas. Esse é um caso que lembra, e muito, o escândalo Derosso.”

Em 2009, a Assembleia Legislativa do Paraná era presidida pelo deputado estadual Nelson Justus (DEM), hoje presidente da Comissão de Constituição e Justiça.

A minuta do contrato denunciado por Dr. Rosinha foi publicada na edição de 6 de maio de 2009 do “Jornal do Estado”. Na mesma página, outras duas minutas, relativas a contratos similares, também foram publicadas.

Com idêntico objeto (“divulgar materiais de interesse” da Assembleia), os outros dois contratos foram firmados com as empresas Engepublic Ltda (R$ 73 mil) e Cezarini Publicidade S/C Ltda (R$ 52 mil). A primeira edita o jornal “Impacto Paraná”. A segunda, a revista “Divulgação Paraná”.

“Que materiais de interesse eram esses? Promoção pessoal, como a que fazia o Derosso em Curitiba?”, questiona Dr. Rosinha, que pretende acionar o Ministério Público ainda nesta semana. O deputado federal também irá solicitar da Assembleia do Paraná a íntegra dessas três licitações por carta-convite.

 

Funcionário fantasma

Os próprios deputados estaduais relatam que jamais viram Fábio Campana trabalhando na Assembleia.

“Gostaria de saber em que horário esse cidadão trabalha na Assembleia Legislativa e em qual setor? Salvo uma explicação convincente, nunca se viu, pelo menos nos últimos anos, esse conhecido colunista cumprindo horário no Poder Legislativo. E ainda com direito a férias”, discursou, em meados de junho deste ano, o deputado Edson Praczyk (PRB). O parlamentar se referiu a Campana como “suposto funcionário deste Poder que nunca trabalhou aqui”.

“Em 8 anos, nunca vi o funcionário Fábio Campana aqui na Assembleia”, também observou Tadeu Veneri (PT), em discurso no último mês de maio.

Em março de 2010, o atual senador Roberto Requião (PMDB-PR) afirmou o seguinte, através de sua conta no Twitter: “Depois de 20 anos sem trabalhar [Fábio] Campana pede licença da Assembleia. Concedê-la é crime de ocultação de cadáver”.

“Tanto o contrato com a empresa Editora Cabeza de Vaca quanto a situação funcional de Fábio Campana precisam ser investigadas, e com rigor”, defende Dr. Rosinha.

 

Sobre a empresa

Fábio Campana criou a empresa Editora Cabeza de Vaca Ltda em outubro de 2004. Objeto social dela: impressão de livros e periódicos e veiculação de anúncios publicitários de terceiros.

Sempre em sociedade com familiares, Campana nunca deixou de ter menos de 95% de participação na empresa. Hoje, detém 99%; 1% pertence a Denise de Camargo, esposa dele.

Na época do contrato com a Assembleia, Campana detinha 95% das quotas do capital social e seu filho, Rubens Dionísio de Camargo Campana, os outros 5%. Todas essas informações foram obtidas por Dr. Rosinha através de certidões emitidas esta semana pela Junta Comercial do Paraná.

 

 

 

Confira o nome de Luiz Fábio Campana na lista de funcionários estáveis da Assembleia do Paraná
http://www.alep.pr.gov.br/transparencia/relacao-dos-funcionarios/estaveis/

Luiz Fábio Campana no banco de dados dos “Diários Secretos” da Gazeta do Povo
http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/diariossecretos/pordentro/ficha.phtml?nome=LUIZ%20FABIO%20CAMPANA

A minuta do contrato a que se refere Dr. Rosinha (pág. 13)
http://www.bemparana.com.br/arquivos/uploads/1800.pdf

O que diz a Lei de Licitações
Art. 9º Não poderá participar, direta ou indiretamente, da licitação ou da execução de obra ou serviço e do fornecimento de bens a eles necessários:
[...] III – servidor ou dirigente de órgão ou entidade contratante ou responsável pela licitação.”

Fonte:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8666compilado.htm

O que diz a Lei da Improbidade Administrativa
Art. 10. Constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda patrimonial, desvio, apropriação, malbaratamento ou dilapidação dos bens ou haveres das entidades referidas no art. 1º desta lei, e notadamente:
[...]VIII – frustrar a licitude de processo licitatório [...]”

Fonte:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8429.htm

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 11.183 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: